terça-feira, abril 21, 2015

DAB/DAB+: o futuro da rádio?

Na sequência do anúncio do agendamento do switch-off das emissões VHF-FM na Noruega em 2017, que correu o mundo, importa aproveitar a ocasião para lançar uma reflexão sobre a rádio digital e, em particular, o DAB.

Declaração de interesses: nunca tive a oportunidade de escutar uma emissão DAB, nem tão-pouco dispus alguma vez de um receptor digital. Sou, todavia, a favor da rádio digital e das verdadeiras inovações que esta pode trazer para o ouvinte. E emprego a expressão "verdadeiras inovações" porque nem tudo o que foi prometido está a ser, na prática, oferecido. Neste contexto, importa analisar a actualidade da rádio digital na Europa e no mundo.

Sendo a Noruega o país ou um dos países mais avançados na cobertura e na oferta digital, a vizinha Suécia emite vários serviços, servindo 35% da população. Curiosamente, a Finlândia teve alguns testes, mas decidiu-se por desactivar as emissões DAB.

Um pouco mais a Sul, a Dinamarca é dos poucos países onde o DAB/DAB+ também tem apresentado resultados razoáveis. Outros países com uma oferta interessante no DAB são a Alemanha e a Suíça.

Todavia, vale a pena destacar o Reino Unido, pela sua larga oferta no DAB. Aliás, diria que a oferta é demasiada para o espectro disponível, já que obriga as rádios a apresentarem uma qualidade de som que deixa a desejar. Para melhor elucidar o leitor, podemos dizer que uma emissão em MPEG-2 (formato adoptado no DAB) a 192 kbps é mais ou menos equivalente, em termos de qualidade sonora, a um ficheiro MP3 a 128 kbps. Pois bem, existem rádios britânicas que operam no DAB ao impressionante bitrate de 64 kbps em MP2, obviamente. Note-se que o MP2 (MPEG-2) é um codec menos eficiente que o conhecido MP3, pelo que 64 kbps no DAB podem ser semelhantes ou até pior que 48 kbps em MP3. E como se não bastasse o bitrate ridículo, muitas rádios apresentam a inovação (ironia) da... monofonia. Porque emitir em estéreo ocupa mais "espaço" no ensemble, isto é. o canal.

Fazendo uma analogia relativamente pobre, imaginemos que um ensemble DAB é um autocarro onde se sentam os passageiros (estações de rádio). Suponhamos agora (cenário absurdo na vida real, mas que tem de ser utilizado neste caso) que não há uma lotação fixa, podendo o veículo comportar, digamos, de 10 passageiros (se forem relativamente gordos) até 20 (se forem pessoas muito magras). Existem duas possibilidades: transportar menos gente mas com maior estatura física (menos estações mas maior bitrate), ou obrigar os passageiros a perderem peso para que caibam todos no autocarro (mais rádios , com bitrates mais baixos e, eventualmente, som mono).

Pois bem, os operadores britânicos optam por ter muitas estações de rádio; no caso da BBC, a Radio 3 utiliza um bitrate de 160 a 190 kbps. As Radio 1, Radio 2, Radio 6 Music e a Radio 1 Xtra operam a 128 kbps estéreo. Todavia, as restantes rádios públicas no mesmo ensemble utilizam bitrates de 64 a 128 kbps... com som mono! Um cenário equivalente ocorre nas emissoras nacionais privadas. Em suma, as rádios britânicas apresentam uma qualidade de som no DAB que atinge o limiar do minimamente aceitável. Ironicamente, por cá em Portugal e por todo o mundo, alguns detractores da Onda Média apresentam o argumento do DAB para defender o fim da faixa e a melhoria da qualidade de som... Qualidade de som à parte, o Reino Unido é também dos escassos países com uma grande oferta de rádios e cobertura radioléctrica em DAB. Saliente-se o facto de o DAB já ser um sistema ultrapassado pelo DAB+, tecnologia que actualiza a rádio digital com um codec mais eficiente, além de outros melhoramentos.

Constrastando com os casos de aparente sucesso do DAB descritos, outros países europeus desactivaram ou reduziram drasticamente o serviço. É o caso de Portugal, Espanha (cobertura apenas de Madrid e Barcelona), Grécia (também desactivou) e Mónaco. Outros países como a França e a Itália têm alguns serviços DAB/DAB+ em fase de testes.

Fora da Europa, existe DAB/ DAB+ na Austrália, Indonésia, Hong Kong, entre muitos outros países que efectuam testes e/ou já dispõem de emissões regulares digitais.

Saliente-se que o DAB(+) não é o único sistema presente no mundo, havendo também o DRM, DMB e HD Radio. Este último (HD Radio) é essencialmente utilizado no continente americano.

A rádio digital é o futuro? Sim, mas cá estaremos para acompanhar a evolução da tecnologia e da rádio no contexto desta nova tendência europeia e até mundial.



5 comentários:

Manuel J. Villacañas disse...

En España la única que parece hacer una apuesta firme por el DAB/DAB+ es Radio María. Compró la licencia de SRDT (Sociedad de Radio Digital Terrenal) por la que emitía Europa FM y comenzó pruebas usando su ancho de banda bajando la calidad de la señal DAB a 64 kbps para introducir otra DAB+ en AAC a 64 kbps (el ancho de banda que tienen es 128). Además están facilitando receptores DAB+ a sus oyentes de Madrid y Barcelona, únicos lugares donde se emite señal DAB/DAB+.

Lamentablemente, el resto de emisoras con licencia DAB no han movido nada desde que se bajó la cobertura de un 50% a un 25% de la población española, a pesar de que se comprometieron a hacer pruebas con DAB+ en el plazo de un año de aquello (y han pasado ya 4 o 5).

JoãoDamasceno disse...

Fiquei com uma dúvida: Por que o DAB (ou DAB+) se podemos contar com o DRM?! Não seria o rádio DRM ainda melhor que o DAB?

Luis disse...

Na Suíça só uso a dab o som é sem falhas e com qualidade 44.100hz

Luis disse...

Na Suíça só uso a dab o som é sem falhas e com qualidade 44.100hz

Anónimo disse...

Na Bélgica o DAB e DAB+ vai de "vento em popa". Existem recetores a preços acessíveis e mesmo os automóveis contemplam já recetores nos modelos comercializados. Existe um grande número de estações emissoras.
Tenho imensa pena que tenham desligado a rede em Portugal. Quando regressar ao meu país não vou usufruir da qualidade digital.