sábado, outubro 16, 2021

Faleceu Luís Henrique Botelho

Uma curta nota para lamentar a morte de Luís Henrique Botelho, profissional da RDP Internacional que fez companhia aos ouvintes do "Clube da Amizade" e do "Longo Curso", a partir dos estúdios da RDP Centro. Que descanse em paz.

segunda-feira, outubro 11, 2021

Mais um tiro no pé da TSF: sinal zero no Túnel do Marão!

Se já não bastavam os vários problemas técnicos que têm afectado a rede de emissores da TSF nos últimos meses, quem viaja por Trás-os-Montes a ouvir a estação depara-se com o facto de já não poder sintonizar os 107,6 MHz no Túnel do Marão (por onde passa a auto-estrada A4, entre Amarante e Vila Real).

É uma situação preocupante, na medida em que os emissores que cobrem o interior da estrutura que "rasga" a Serra do Marão são essenciais na eventualidade de surgir algum problema e haver a necessidade imediata de alertar os condutores para a situação - e a rádio, por não exigir atenção visual, é o meio mais seguro para o fazer. Sem esquecer os ouvintes que gostariam de continuar a acompanhar a actualidade através da TSF e que deixaram de o poder fazer a caminho ou a sair de Vila Real.

Recorde-se que a Antena 1, a Antena 3 e a Rádio Renascença têm também emissores no túnel, contudo tal não justifica que o emissor da rede regional Norte esteja inoperacional. Uma situação que deveria ser rapidamente normalizada.

Actualização (20/10/2021): situação entretanto normalizada. Obrigado, P. Pinto, pela informação.

domingo, outubro 10, 2021

"Palco de Distorção", aos sábados na Rádio Renascença

Não costumo criticar programas da Rádio Renascença, mas desta vou abrir uma excepção, até porque se trata de uma questão exclusivamente técnica e não do conteúdo do programa.

Quem ouve a emissora católica portuguesa nas noites de sábado sabe que a partir das 23 horas tem o "Palco Principal", um programa onde são tocados vários temas de um dos álbuns de um determinado artista ou de uma banda. Um espaço radiofónico muito interessante, que constitui uma boa alternativa às playlists repetitivas das estações de rádio - e que valeria a pena ouvir, não fosse o caso de - como diz o povo - no melhor pano cair a nódoa.

A "nódoa" é o processamento de som intragável, para não dizer péssimo. Na audição hertziana da Renascença, através da rede nacional de emissores em FM, o áudio estéreo tem alguns artifícios. Para piorar as coisas, o áudio em mono "sai" carregadíssimo de artifícios, como se se tratasse de um "stream" a 32 kbps ou com um bitrate ainda mais baixo. Escutar Barclay James Harvest ou Peter Gabriel com um som completamente artificial e distorcido é simplesmente horrível. Até uma cassete analógica do tipo I (ferro) gravada num deck sem Dolby B soaria melhor do que a emissão da RR.

Provavelmente, o problema reside nos ficheiros de áudio, que poderão estar a utilizar "full stereo" em vez do "joint stereo". Em todo o caso, estamos certos que no ano de 2021 não é nada de outro mundo utilizar um software para converter ficheiros noutro formato. E nem sequer será imprescindível recorrer a uma solução informática paga: um bom exemplo de solução gratuita e bastante completa é o "fre.ac".

Eu tenho a consciência que a informação sonora "saída" dos estúdios da RR passa por várias etapas de processamento para ser transmitida para o satélite e descodificada pelos receptores de satélite que alimentam os emissores FM e de Onda Média. Contudo, se mesmo com compressão com perdas (lossy) o som da emissão "normal" é bastante decente, não se compreende como é que a equipa responsável pelo funcionamento do programa, incluindo os técnicos, não tenta reduzir ao mínimo as alterações ao sinal de áudio original. Na era onde facilmente se compra online um álbum em formato FLAC (ou até em CD, mormente se estiver em promoção) por menos de 10€, não seria nada difícil converter os ficheiros de áudio ou "ripar" o CD para MP3 ou AAC com um bitrate elevado e joint stereo.

Rádio é conteúdo mas também é som. Por vezes, bastam pequenos ajustes nas configurações do software para que um áudio mais do que processado e reprocessado "saia" com uma qualidade razoável em vez de uma qualidade execrável. Os ouvintes agradecem.

sábado, outubro 09, 2021

Radiodays Europe arranca hoje em Lisboa

Entre hoje, dia 9, e a próxima segunda-feira, dia 11 de Outubro de 2021, o Centro de Lisboa vai ser o palco do "Radiodays Europe", um evento anual que reúne profissionais e empresas ligadas ao sector da rádio.

A organização portuguesa inclui os três maiores grupos de rádio no nosso país: a RTP, o Grupo Renascença e a Media Capital Rádios.

Para quem tiver interesse em conhecer melhor o evento, pode visitar o site do "Radiodays Europe". Uma coisa é certa: a rádio terá sempre futuro assim continue a haver quem queira fazer rádio e quem queira ouvi-la. A tecnologia pode evoluir, os gostos podem mudar, mas a rádio, o "camaleão" dos media, pode e deve adaptar-se às circunstâncias para continuar a ser relevante. É esta a mensagem que um evento como o "Radiodays Europe" deve transmitir aos profissionais e aos ouvintes.

terça-feira, outubro 05, 2021

Rádio Esperança inicia as emissões regulares hoje, dia 5 de Outubro

A Rádio Esperança (97,5 MHz Portel) inicia hoje, dia 5 de Outubro de 2021, as emissões regulares. A inauguração da rádio da Arquidiocese de Évora, que decorrerá a partir das 17h00, será presidida pelo próprio arcebispo, D. Francisco Senra Coelho.

Importa esclarecer que a estação alentejana vai produzida pelo Departamento de Comunicação da Arquidiocese de Évora, com o apoio da comunidade católica Canção Nova, tratando-se de uma rádio que não está subordinada à Canção Nova ou à Rádio Renascença, não obstante retransmitir um ou outro programa destas estações religiosas. Vai ser uma estação local com alvará para o concelho de Portel mas com estúdios em Évora (da extinta Voz do Alentejo da Rádio Renascença e, mais tarde, da Rádio Sim Alentejo) e que promete uma programação generalista, sem descurar a matriz católica que a caracteriza.

Aos profissionais da Rádio Esperança, resta-me desejar a melhor das sortes. Cá estaremos para vos ouvir.

quinta-feira, setembro 30, 2021

Emissores da RTP-rádio na Lousã operam através de um sistema radiante provisório

Confirma-se: a RTP está a utilizar um sistema radiante provisório na Serra da Lousã, que opera com potência reduzida,  por forma a manter em funcionamento das frequências da Antena 1, Antena 2 e Antena 3 enquanto procedem aos trabalhos de manutenção, que, como já referi numa publicação anterior, incluem a substituição dos elementos radiantes.

Ao que se sabe, a intervenção técnica na Lousã deverá demorar cerca de duas semanas (se as condições climatéricas o permitirem), pelo que as dificuldades de recepção das três estações sentidas nalgumas zonas da área de influência do centro emissor do Trevim deverão manter-se nos próximos dias.

Aos ouvintes afectados, recordo que a Antena 1 tem emissores em Coimbra (94,9 MHz) e Santarém (98,8 MHz), frequências que podem constituir uma alternativa de escuta confortável aos 87,9 MHz. No Ribatejo e Sul da Beira Litoral, é possível ouvir a Antena 1, a Antena 2 e a Antena 3 através das frequências do Montejunto (98,3, 88,7 e 105,2 MHz, respectivamente); na região de Leiria/Fátima, através das frequências da Maunça/ Batalha (98,7, 104,2 e 106,4 MHz). Para os ouvintes localizados no distrito de Aveiro, as melhores alternativas são as frequências do Atestal (Antena 1 - 106,7 e Antena 2 - 95,2 MHz) e, em especial a Norte de Aveiro, as do Monte da Virgem (Antena 1 - 96,7, Antena 2 - 92,5 e Antena 3 - 100,4 MHz).

Importa acrescentar que em grande parte da região Centro é possível escutar a Antena 1 também na Onda Média (630 kHz Montemor-o-Velho).

Não existe mundo ideal. Não é possível exigir que o operador público invista na manutenção da rede de emissores sem que os ouvintes tenham de aceitar alguns constrangimentos provisórios. Contudo, espero que esta intervenção no Trevim permita, dentro de alguns dias, às três "Antenas" fazerem-se ouvir melhor em toda a região coberta pelas frequências da Lousã.

terça-feira, setembro 28, 2021

RTP realiza trabalhos de manutenção nos emissores FM no alto da Serra da Lousã

Os técnicos da RTP encontram-se a realizar trabalhos de manutenção, incluindo e substituição dos elementos radiantes, na torre do centro emissor da Serra da Lousã (Trevim), afectando a Antena 1 (87,9 MHz), Antena 2 (89,3 MHz) e Antena 3 (102,2 MHz).

É bem provável que as frequências referidas estejam agora a ser, de forma provisória, radiadas a partir de um sistema radiante alternativo com potência reduzida. Do que posso verificar, num local favorável à recepção das emissões do Trevim mas longe da área primária de cobertura dos emissores, a mais de 160 km em linha recta, na cidade de Évora, os sinais das frequências das três rádios públicas é, neste momento, muito fraco, contrastando com as frequências da RR (106,0), RFM (91,7), TSF (107,4) e até, sendo certo que não emite do Trevim, da Rádio Comercial (90,8 MHz).

Pode haver perturbações na recepção, mas tal acontece por um bom motivo. A RTP tem, nos últimos tempos, investido na manutenção das redes de emissores das três rádios nacionais e da RDP África - e ainda bem. A rádio pública tem a obrigação de se fazer ouvir em boas condições por todo o território nacional. E investir no reforço da cobertura nas zonas problemáticas onde, no ano de 2021, nem sequer a Antena 1 se escuta de forma satisfatória, quanto mais a Antena 2 e a Antena 3!

P.S. Já agora, se os estimados leitores do blogue localizados na área de cobertura radioeléctrica dos emissores do Trevim quiserem comentar esta publicação, descrevendo as condições de recepção das frequências da RTP no local onde se encontram, agradeço a colaboração!