terça-feira, agosto 04, 2020

ERC autoriza compra Maiorca FM (92,1 MHz Figueira da Foz) pela Record FM... mas não permite que a estação se torne num retransmissor da Record FM

A ERC autorizou recentemente a venda da Maiorca FM (92,1 MHz Figueira da Foz, no distrito de Coimbra) à Record FM. 

A estação local da Figueira da Foz pretendia igualmente alterar a designação da rádio para "Record Maiorca" e incorporá-la na rede Record FM, todavia a entidade reguladora indeferiu tais pretensões, porquanto a alteração do projecto aprovado para uma rádio não pode ser efectuada antes de decorridos dois anos da cessão do serviço de programas. Assim, por enquanto, a Maiorca FM não poderá legalmente operar como retransmissor da emissão da cadeia de rádios da IURD.

Sendo certo que a estação se encontra a operar em condições técnicas sofríveis, um bom investimento por parte da Record FM na renovação do emissor permitirá melhorar significativamente as condições de recepção da Maiorca FM em Coimbra e na região Centro.

sexta-feira, julho 31, 2020

Mega Hits já emite em Rio Maior e Viseu!

A Mega Hits passou a emitir em Rio Maior e Viseu, substituindo a Rádio Sim. O canal jovem da emissora católica portuguesa ouve-se agora nos concelhos de Rio Maior, Santarém, Cartaxo, Alcobaça, Nazaré, Caldas da Rainha, Óbidos, Azambuja, Alcanena e Porto de Mós através da frequência de 92,6 MHz; também pode ser ouvida no concelho de Rio Maior através da microcobertura dos 99,5 MHz. A Mega Hits chega agora também aos concelhos de Viseu, Nelas, Penalva do Castelo, Oliveira do Hospital, Tondela, Castro Daire e São Pedro do Sul, através do emissor dos 106,4 MHz.

Com estas alterações dentro do grupo Renascença, o que resta da Rádio Sim fica limitado aos emissores de Palmela, Valongo (frequência atribuída ao concelho da Maia) e Portel. Em contrapartida, a Mega Hits passa a ser escutada de Lisboa a Braga praticamente sem falhas de cobertura (talvez com a excepção de algumas zonas do distrito de Leiria), graças a uma rede de nove emissores, a saber: 92,4 MHz Lisboa, 88,0 Sintra, 92,6 + 99,5 Rio Maior, 90,0 Coimbra, 106,4 Viseu, 96,5 Aveiro, 90,6 MHz Valongo (frequência atribuída ao concelho de Gondomar) e 92,9 MHz Braga.

quinta-feira, julho 23, 2020

RTP-Rádio: emissões FM do Monte da Virgem a operar temporariamente com potência reduzida devido a intervenção técnica

Uma breve nota para informar que o centro emissor das rádios públicas no Monte da Virgem, no concelho de Vila Nova de Gaia (Antena 1 - 96,7 MHz, Antena 2 - 92,5 MHz e Antena 3 - 100,4 MHz) se encontra há vários dias a operar através de um sistema radiante alternativo e provisório, com potência reduzida. Segundo o utilizador "P. Pinto" do grupo Yahoo! do "Mundo da Rádio", citado pelo utilizador Abílio Maia no "Fórum da Rádio", esta situação deve-se à realização de trabalhos na torre, que incluem a substituição integral do sistema radiante.

Com esta intervenção técnica, a RTP espera optimizar a cobertura radioeléctrica das emissões FM no Grande Porto e no Douro Litoral, enquanto racionaliza os custos de operação do centro emissor. O fim dos trabalhos (e consequentemente reestabelecimento das condições normais de emissão, está previsto para, o mais tardar, o final da corrente semana.

É uma notícia saber que a rádio pública está mesmo a investir na melhoria das condições técnicas de emissão. Claro que há um longo caminho a percorrer até que a rádio pública funcione com os meios adequados - e o Provedor do Ouvinte já por várias vezes denunciou as condições sofríveis em que as rádios da RTP se mantêm no ar-, mas é um bom começo.

terça-feira, julho 21, 2020

Rádio Observador sintonizada nos 98,4 MHz... na Finlândia!

Não tenho o hábito de falar de DX (captação de sinais de rádio a grandes distâncias) no blogue principal do "Mundo da Rádio", mas a situação relatada hoje pela Rádio Observador justifica o esclarecimento dos profissionais da estação, dos ouvintes, e de quem se interessa pela captação de emissões de rádio FM a distâncias (entre as antenas emissoras e os receptores dos ouvintes) invulgarmente elevadas.

Contando a história de forma lacónica, Jim Solatie, um DXista, entusiasta da captação de emissões de rádio a centenas e milhares de quilómetros da antena emissora, conseguiu sintonizar, na Finlândia e a cerca de 140 km da capital do país, Helsínquia, o sinal FM da Rádio Observador nos 98,4 MHz, que é emitido das antenas localizadas no Monte de Santa Eufémia, no limite geográfico dos concelhos de Vila do Conde e da Trofa. Contas feitas, uma distância na ordem dos 3000 a 3200 km.

Esta captação extraordinária, registada no passado dia 12 de Julho, foi o assunto do programa "E=mc^2" do dia de hoje, que pode ser ouvido em podcast. Para comentar esta situação insólita, a Rádio Observador convidou o professor Nuno Borges de Carvalho, da Universidade de Aveiro. Não obstante, e salvo o devido respeito pelo senhor professor, considero que a explicação terá sido um pouco confusa, mormente para um leigo, pelo que tomei a iniciativa de tentar ajudar a compreender melhor o fenómeno.

Antes de mais, permitam-me que recomende um artigo da minha autoria onde, modéstia à parte, tento descrever, da forma mais simples que consegui encontrar, as várias formas de propagação de sinais de rádio FM a distâncias elevadas. Tenho feito um esforço para descomplicar, na medida do possível,esta matéria, quando praticamente toda a bibliografia existente encontra-se em inglês e noutras línguas que não o português.

Regra geral, a propagação das ondas de rádio no FM é feita em linha de vista, podendo atingir, no máximo e em condições muito favoráveis, uma distância de cerca de 160 km. Contudo, por vezes surgem condições atmosféricas que possibilitam a recepção de sinais a centenas ou até milhares de quilómetros do emissor.

O fenómeno de propagação mais comum é o da condução troposférica, que ocorre quando há uma inversão térmica que faz com que as ondas fiquem "presas" num "canal" por onde circulam por centenas ou até milhares de quilómetros. Os sinais costumam permanecer de forma relativamente estável durante longos minutos ou até horas e este tipo de propagação é mais comum e tem maior intensidade no Verão, nomeadamente durante a noite. No Sul do continente, na margem Sul do Tejo, no Alentejo e no Algarve, não é raro ouvir-se no Verão estações de rádio marroquinas, madeirenses e até, por vezes, das ilhas Canárias, a cerca de 1300 km da nossa costa! Também é comum ouvir, em certas zonas do Sul e Centro, rádios do Norte do país.

Outro fenómeno, que geralmente ocorre no início do Verão, (sobretudo entre finais de Maio e meados de Julho), é a propagação ionosférica via esporádica "E". Afectando sobretudo as frequências mais baixas da banda FM (87,5~108 MHz), mas podendo subir inclusivamente acima dos 108 MHz, permite a recepção de rádios localizadas a milhares de quilómetros de Portugal. A título pessoal, já captei emissões de países como o Reino Unido, a Itália, a Croácia, a Tunísia, entre outros. Aliás, tenho inúmeros vídeos de captações no meu canal do YouTube.

De referir que existem outros tipos de propagação, que por razões de espaço não abordarei nesta publicação, sugerindo ao leitor que consulte o artigo supramencionado.

Considerando o que se sabe e o que foi dito, parece-me que a captação resulta da condução troposférica invulgarmente favorável, que criou uma "estrada" na atmosfera por onde as ondas da Rádio Observador viajaram até à Finlândia - o que não deixa de ser um feito digno de registo. Não sei falar finlandês, mas vou dizer: Congratulations, Jim Solatie! Nice catch! Como se diz na gíria, bons 73 a todos os que gostam de realizar captações de sinais de rádio a distâncias consideráveis!

Faleceu o jornalista e antigo director de informação da rádio pública Manuel Vaz Bravo

Hoje é um dia duplamente triste para a rádio em Portugal. Depois de ficarmos a saber que tinha falecido o jornalista Luís Filipe Costa, eis que a Antena 1 anuncia que faleceu, aos 80 anos de idade, Manuel Vaz Bravo, jornalista, subchefe e chefe de redacção, director-adjunto e director de informação da Antena 1, além de técnico e chefe de exteriores, tendo inclusivamente sido responsável pelo Museu da Rádio.

De referir que o jornalista Manuel Bravo entrou para a Emissora Nacional no dia 28 de Maio de 1964, tendo também trabalhado no Rádio Clube Português. Que descanse em paz. Sem Luís Filipe Costa e Manuel Vaz Bravo, hoje perdemos duas referências históricas da rádio que se fez em Portugal nas últimas seis décadas.


Faleceu o jornalista Luís Filipe Costa, o homem que leu os comunicados do MFA ao microfone do RCP

Morreu o jornalista, radialista e realizador de televisão Luís Filipe Costa. O profissional, que marcou a história contemporânea de Portugal por ter lido aos microfones do Rádio Clube Português os comunicados do MFA na madrugada do dia 25 de Abril de 1974, trabalhou sobretudo na área da televisão.

Hoje a comunicação social ficou mais pobre. Que o grande profissional Luís Filipe Costa descanse em paz.

segunda-feira, julho 20, 2020

ARIC alerta que algumas rádios locais encontram-se a ponderar o encerramento nas próximas semanas

A ARIC (Associação de Rádios de Inspiração Cristã) publicou um comunicado em que afirma que muitas rádios locais estão a encarar a possibilidade de fechar nas próximas semanas, mercê das dificuldades agravadas pela quebra de actividade económica derivada da pandemia.

Trata-se, evidentemente, de uma notícia preocupante e triste, mas que reflecte os constrangimentos  pecuniários que afectam as rádios locais há muitos anos.

Eu compreendo que existam rádios locais bem geridas e que cumprem o seu papel a denunciar as dificuldades económicas. E, certamente, ainda haverá umas tantas. Todavia, e por mais desagradável que seja de ouvir, também existem rádios transformadas em pouco mais do que música atrás de música, seleccionada por um software de automação, um jornalista a ler as notícias e talvez até um programa religioso pago por uma instituição religiosa (nomeadamente na área do evangelismo) para equilibrar as contas. Por outro lado, há muitas rádios locais que foram despromovidas a meros retransmissores de estações de rádio com estúdios em Lisboa e que já nem disfarçam na hora de apresentar as notícias do concelho para o qual o alvará da rádio local foi atribuído, colocando um jornalista em Lisboa a relatar, em poucos minutos e a dezenas ou até a centenas de quilómetros da "terra", os últimos desenvolvimentos da política, da sociedade e eventualmente uma referência ao desporto regional.

Talvez a melhor solução para os problemas das rádios em Portugal passasse, houvesse vontade política, pela criação de rádios distritais que cobrissem todo o distrito e que acompanhassem a actualidade numa perspectiva regional. Também o estabelecimento de cadeias de rádios, que fossem autorizadas a emitir 24 horas por dia a mesma programação regional em todas as frequências, na condição de prestarem um verdadeiro serviço público de informação na região onde se inserem, fosse uma boa ideia. Porque, mais do que cadeias de rádios a tocarem playlists repetitivas ou a passarem propaganda religiosa, Portugal precisa de rádios locais que se unam no sentido de servir realmente as populações. Se não há condições para termos uma rádios local em cada concelho a querer concorrer com a rádio do concelho vizinho, que haja coragem política e empresarial para facilitar a criação de rádios regionais. Também ajudava uma alteração legislativa que autorizasse a criação de rádios comunitárias sujeitas a um regime fiscal, de pagamento de direitos de autor e direitos conexos, substancialmente mais favorável do que o aplicado aos grandes operadores radiofónicos. Mais do que "migalhas" dos 15 milhões de euros em publicidade comprados pelo Estado, as rádios precisam que o Estado lhes facilite a vida, reduzindo a burocracia e as exigências fiscais, enquanto facilita a reinvenção necessária à sobrevivência das estações e a sua adaptação a uma nova realidade decorrente das mudanças no mundo provocadas pela pandemia.

sábado, julho 18, 2020

Media Capital: trocas e baldrocas

"Trocas & Baldrocas". Este podia muito bem ser o título da próxima novela da TVI, tal é a quantidade de mudanças no seio da Media Capital, que pode não só afectar o funcionamento do operador de televisão como também reflectir-se no funcionamento das rádios do grupo (Rádio Comercial, M80 Rádio, Cidade FM, Smooth FM e Vodafone FM).

Depois de Manuel Alves Monteiro ter sido promovido a CEO da Media Capital, a ERC tomou a iniciativa de avaliar as mudanças na estrutura da TVI. No limite, a terem existido irregularidades gravíssimas, a entidade reguladora poderá suspender a licença do canal. Ao que parece, não obstante o interesse da Cofina na aquisição da empresa, a guerra entre a dona do "Correio da Manhã" e o empresário Mário Ferreira continua. Certo é que a estrutura accionista da Media Capital está em processo de mudanças, incluindo a entrada de uma accionista bem conhecida pelos portugueses: a apresentadora de televisão Cristina Ferreira.

Indubitavelmente, o futuro da Media Capital continuará a fazer correr muita "tinta" digital nos sites de informação; seja como for, a instabilidade resultante da indefinição de quem manda no quê e quem deve fazer o quê numa empresa de comunicação social não contribui positivamente para o regular funcionamento dos canais de televisão e de rádio dessa empresa - sobretudo quando, no caso da TVI, já houve várias saídas e entradas de profissionais. Resta saber se o ímpeto reformista não irá afectar as rádios do grupo nos próximos tempos...

segunda-feira, julho 06, 2020

Mega Hits brevemente também em Rio Maior (92,6 + 99,5) e em Viseu (106,4 MHz)

Já é oficial: a ERC publicou duas deliberações que autorizam a até agora Rádio Sim- Rio Maior (92,6 + 99,5 MHz) e a Rádio Sim - Noar (106,4 MHz Viseu) a mudar as respectivas designações e a transmitir a Mega Hits (Mega Hits Rio Maior e Mega Hits Viseu, respectivamente).

Deste modo, o canal jovem da emissora católica portuguesa contará brevemente com um importante reforço de cobertura, servindo o Ribatejo e a região de Viseu. Por apurar continua o destino a ser dado às restantes rádios locais que transmitem o que resta da Rádio Sim descontinuada: 102,2 MHz Palmela, 100,8 MHz Maia (emissor em Valongo) e 97,5 MHz Portel.

A Mega Hits contará com emissores, a saber: 92,4 MHz Lisboa; 88,0 MHz Sintra; 92,6 e 99,5 MHz Rio Maior; 90,0 MHz Coimbra; 96,5 MHz Aveiro, 106,4 MHz Viseu, 90,6 MHz Gondomar (emissor em Valongo) e 92,9 MHz Braga.