sexta-feira, janeiro 06, 2017

Noruega é o primeiro país do mundo a desligar a rádio em FM!

Já é oficial: a Noruega rendeu-se ao lobbying da rádio digital em DAB, cumprindo a triste promessa de desligar, no ano de 2017, a velha mas eficaz rádio analógica.

A partir do próximo dia 11 do corrente mês de Janeiro, as emissões analógicas das rádios nacionais na cidade de  Bodø deixarão de poder ser escutadas, obrigando os residentes a adoptarem à viva força o DAB. E digo "à viva força" porque, segundo um inquérito realizado neste país nórdico, 66% dos noruegueses estão contra a mudança , que ocorrerá em todo o país até ao final do corrente ano. A capital, Oslo, perderá o sinal FM das rádios nacionais em Setembro.

Não obstante, a excepção à regra foi concedida às rádios locais, que poderão continuar a emitir em FM até 2022. Em todo o caso, não deixa de ser preocupante o facto de 2 milhões de carros na Noruega não estarem equipados com auto-rádio DAB, obrigando os seus proprietários a adquirirem adaptadores que chegam a custar 1500 coroas norueguesas, cerca de 160 euros. Pior: milhões de rádios  a pilhas ou ligados à rede eléctrica, nos bolsos dos casacos (telemóveis com rádio FM), nas aparelhagens de som, nas mesas das cozinhas ou no canto da sala tornam-se, literalmente, inúteis.

Para um país com 3,5 vezes a área de Portugal e metade da população portuguesa, é impressionante o poder do operador público de rádio, a NRK e as rádios nacionais privadas, no sentido de forçar a opinião pública a gastar dinheiro com uma tecnologia que vai tornar obsoletos milhões de rádios, colocando até em risco a segurança nacional, porquanto alguns ouvintes que não se apressem a adquirir um receptor DAB podem até perder informações de emergência veiculadas através das ondas de rádio digitais.

Por cá, em Portugal, 13 anos e mais de 11 milhões de euros volvidos, o DAB da RDP/RTP, que emitia a Antena 1, a Antena 2, a Antena 3, a RDP África e a RDP Internacional, morreu em 2011 e não existe neste momento vontade política e dos operadores para seguir o exemplo norueguês. Curiosamente, não muito longe da Escandinávia, um país tão avançado como a Finlândia também abandonou o barco do DAB. Se há países como a Noruega, a Suíça e o Reino Unido onde o DAB tem sucesso, também os há que reduziram drasticamente o perímetro geográfico do DAB (por exemplo, a vizinha Espanha, etc) ou até o eliminaram completamente (Portugal, Finlândia, entre outros).

domingo, janeiro 01, 2017

Parabéns, Rádio Renascença e RFM!

Porque não é todos os dias que uma respeitada emissora celebra os seus 80 anos de vida, há que noticiar o aniversário da Rádio Renascença, que neste dia 1 de Janeiro de 2017 comemora oito décadas de emissões regulares ao serviço de gerações de ouvintes. Fiel aos seus princípios, a emissora católica portuguesa tem resistido, ao longo dos tempos, aos desafios intrínsecos às mudanças de hábito de consumo de rádio, às próprias mudanças na sociedade portuguesa e até aos regimes políticos com que teve de lidar durante 80 anos. Concorde-se ou não com os programas emitidos e as escolhas musicais, a RR é um invulgar exemplo de coerência e credibilidade nos valores e ideais defendidos por uma estação de rádio, mantidos por muitos anos.

Apesar de, relativamente à oferta musical, a RFM já não ser o que era, não seria justo ignorar o aniversário da RFM, que faz hoje 30 anos. A rádio em Portugal também deve respeito à RFM, por onde passaram e passam grandes profissionais. E como são rádios da mesma "família", o grupo r/com, as minhas felicitações estendem-se a todos os profissionais e colaboradores da r/com, que continua a marcar a diferença em Portugal, fruto de tantos anos de experiência na área da radiodifusão.

Onda Longa: "Au revoir", France Inter (162 kHz LW Allouis)



Há passagens de ano na rádio muito tristes. Quando um dos mais antigos emissores de rádio da Europa fica em portadora, nos 162 kHz, à espera que alguém carregue no interruptor da energia, fica-se a pensar na recordação de uma terra francesa que mal aparece no mapa porém aparecia nalguns receptores de rádio, chamada Allouis, onde até 2017 havia um centro emissor de Onda Longa. Passadas umas horas, o som da estática ocupa o lugar dessa triste portadora, fechando um longo capítulo da história da radiodifusão na Europa. Voltando a Allouis, ao contrário do que contam os livros do Astérix, esta aldeia gaulesa não resiste ao maior inimigo. Neste caso, o das rádios em AM: a pressão das emissoras, inclusivamente públicas, para reduzir custos. Au revoir, France Inter sur Grandes Ondes.

sábado, dezembro 17, 2016

Record FM vai avançar para uma cadeia de rádios

A Record FM (107,7 MHz Sintra), estação detida pela "Global Difusion", empresa  da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), vai, a partir de Fevereiro de 2017,  lançar uma rede de emissores que englobará, além da frequência-mãe, as frequências da Rádio Pernes (101,7 e 105,5 MHz Santarém), Rádio Placard (95,5 MHz Vila Nova de Gaia), Liz FM (101,3 Leiria) e Algarve FM (91,8 + 92,4 + 93,7 MHz Silves).

O processo já terá sido viabilizado pela ERC. Como seria de esperar, seguir-se-á, posteriormente, a adição da Antena Sul (95,5 Viana do Alentejo + 90,4 Almodôvar)  à rede.

domingo, dezembro 11, 2016

Algumas notícias breves:


  • À semelhança dos restantes meios do Global Media Group, os estúdios de Lisboa da TSF vão mudar de instalações ao fim de 18 anos. A partir das 2h00, a rádio onde "tudo passa" estará a emitir das Torres de Lisboa. Esperemos que esta mudança possa trazer uma melhoria das condições logísticas para a operação da emissora.
  • A julgar pelo comunicado da direcção de programas da Super FM (104,8 MHz Alcochete), a rádio rock encontra-se com dificuldades financeiras, encontrando-se a precisar de patrocínios, pelo que o director apela a que os ouvintes ajudem a estação nesse sentido.

domingo, novembro 27, 2016

"SBSR.fm" inicia as emissões no dia 29 de Novembro

Já é oficial: a "SBSR.fm" , a nova estação que vai substituir a Rádio Nostalgia, vai iniciar as emissões na próxima terça-feira, dia 29 de Novembro. Os objectivos da rádio detida pelo empresário Luís Montez e patrocinada pela marca de cerveja "Super Bock"  passam não só pela divulgação de música nova, mas também de eventos onde a cerveja da Unicer marca presença, incluindo o Vodafone Paredes de Coura, Nos Primavera Sound, Super Bock Super Rock e o Meo Arena. A equipa da rádio é composta por profissionais que transitam da Rádio Nostalgia e reforçada com elementos da Radar e Oxigénio (rádios da empresa "Música no Coração" cuja participação de Luís Monteiro está prestes a ser vendida ao seu sócio, Álvaro Covões).
De referir que a SBSR FM, que vai operar nas frequências 90,4 MHz Lisboa e 91,0 MHz Matosinhos (esta última com emissor na cidade do Porto), já foi devidamente aprovada pela ERC.

domingo, novembro 20, 2016

Luís Montez e Álvaro Covões: "divórcio" à vista?

De acordo com a edição online do "Expresso", os sócios do grupo Luso Canal, Luís Montez e Álvaro Covões estarão a negociar a partilha das rádios Radar (97,8 MHz Almada), Oxigénio (102,6 MHz Oeiras e Marginal (98,1 MHz Cascais), todas com os respectivos emissores em Almada.

Ao que parece, o processo de "divórcio" terá começado há cerca de 10 anos e estará em vias de ser concluído. Resta esperar para ver quais serão as consequências da separação de activos nas estações de rádio envolvidas. Recorde-se que Luís Montez é igualmente proprietário da empresa "Música no Coração", que por sua vez detém o alvará das rádios ex-Nostalgia, Meo Music, Rádio Amália e Rádio Festival; a título pessoal, também é dono da Rádio Nova Era, detendo igualmente participações minoritárias na Rádio Nova e na empresa Grandes Notícias, Lda, associada ao grupo Global Media (detentor da TSF).

quinta-feira, novembro 17, 2016

Rádio Nostalgia vai dar lugar à Rádio Super Bock Super Rock

Já se falava no meio, todavia os rumores passaram a informação confirmada pela revista "Sábado": a "Música no Coração", empresa detida por Luís Montez, prepara-se para lançar a Rádio Super Rock Super Bock, utilizando as frequências da Rádio Nostalgia.

O novo projecto ainda carece de aprovação pela ERC, todavia, a julgar pela "playlist" que vai passando nos 90,4 MHz Lisboa e 91,0 MHz Matosinhos (emissor no Porto), o nome da futura estação parece ser bem sugestivo da oferta musical: tratar-se-á, quase seguramente, de uma rádio rock que irá apostar nos clássicos deste género musical. Não havendo mais pormenores divulgados, aguardemos por mais desenvolvimentos.