sexta-feira, julho 14, 2017

Luís Montez e Álvaro Covões: "divórcio" consumado

Já é oficial: a ERC aprovou a cessão das participações do empresário Luís Montez nas rádios "Radar"  (97,8 MHz Almada) e "Oxigénio" (102,6 Oeiras). Entretanto, o até agora sócio Álvaro Covões vende a sua participação na "Rádio Marginal" ao engº Montez.

Assim, e como foi noticiado no blogue em meados de Novembro de 2016, o proprietário da "Meo Arena" fica com 100% do capital da Rádio Marginal, enquanto que o fundador da "Everything is New" passa a deter a totalidade do capital das rádios Radar e Oxigénio. Naturalmente que as restantes rádios nas quais Luís Montez tem participação no capital não serão afectadas por estas decisões.

Altice compra Media Capital!

Já se sabia que era um negócio em vias de ser concretizado, mas foi hoje oficialmente anunciado. A Meo, empresa de telecomunicações do grupo Altice, lançou uma OPA (oferta pública de aquisição) sobre as acções da Media Capital, onde se inclui, naturalmente, além da estação de televisão TVI, as rádios do grupo (Rádio Comercial, M80 Rádio, Cidade, Smooth FM e Vodafone FM), entre outros activos. As estimativas apontam para um negócio que ascende a 440 milhões de euros.

Perante uma operação financeira desta envergadura, e tratando-se de um operador que detém um canal de televisão nacional, uma rádio nacional (Comercial), uma rádio regional (rede sul, ocupada pela M80), bem como várias cadeias de rádios locais, o negócio estará sujeito a avaliação pela autoridades da concorrência portuguesa e europeias, mas também passará, obviamente, pelos crivos da ERC e da ANACOM. Na prática, as diversas entidades que vão escrutinar o processo deverão impor alguns "remédios", no sentido de garantir a salutar concorrência face à aquisição de órgãos de comunicação social por parte de um operador de telecomunicações (Meo) que distribui aos seus clientes, mediante subscrição, canais de televisão e de rádio. É provável que a Altice seja obrigada pelos reguladores dos media a disponibilizar o sinal da TVI aos restantes operadores de telecomunicações e, por maioria de razão, por se tratar de uma estação de televisão de sinal aberto, obrigada, por força do chamado "must carry" imposto por lei, a transmitir na televisão digital terrestre (TDT).

Relativamente às rádios do grupo, desconhecem-se, para já, os planos da Altice. Todavia, é provável que a Rádio Meo Music (quiçá, "Rádio Altice Music"(?)) passe a ser directamente explorada pela Altice, passando para algumas das frequências detidas pela MCR. A Vodafone FM, tal e qual como a conhecemos, deverá ter os dias contados, por razões que, creio, serão óbvias para a maioria dos leitores do blogue; salvo se houver outro operador radiofónico interessado na realização de um contrato com a Vodafone.

Aconteça o que acontecer, uma coisa é certa, a aquisição da Media Capital pela Altice vai ser um processo moroso e complexo, porquanto terá de existir uma profunda análise das entidades reguladoras no sentido de atestar a cabal legalidade do processo e a garantia de não distorção desleal do mercado dos media em Portugal.

sexta-feira, junho 30, 2017

Governo da Guiné-Bissau suspende emissões da RDP África e da RTP África e fecha a delegação da agência "Lusa" no país!

Más notícias vindas da Guiné-Bissau: o ministro guineense da Comunicação Social  anunciou a suspensão da actividade da RDP África, RTP África e da agência Lusa, no país, alegando que o contrato celebrado entre o Estado Português e o Estado guineense caducou.

A consequência directa desta decisão unilateral da Guiné-Bissau é o "silenciamento" dos emissores de rádio da RDP África e de televisão, da RTP África, neste país africano.

Independentemente de questões burocráticas, esta atitude da Guiné-Bissau pode ser visto como um atentado à liberdade de informação e de imprensa, porquanto priva o povo guineense do acesso aos meios de comunicação internacionais do Estado Português. Esta decisão política coloca em causa a democracia na Guiné-Bissau, impedindo o acesso a outras correntes de opinião e a uma informação que pode não se coadunar com a posição oficial do país.

É por estas e outras razões que critiquei, em 2011, o fim da Onda Curta da RDP Internacional. E mantenho, sem retirar uma vírgula sequer, tudo o que escrevi na altura. A Onda Curta e o satélite são tecnologias que não dependem da vontade política dos governos locais onde a emissão é escutada. O emissor FM pode ser desactivado, a Internet pode ser cortada. Até as antenas parabólicas podem ser proibidas. Todavia, a Onda Curta, aquela coisa obsoleta, monofónica, roufenha e distorcida (ironia), chega a um qualquer rádio de pilhas colocado numa mesa de uma qualquer casa, sendo que a única forma viável de censurar a emissão é o seu empastelamento (o que exige antenas e emissores, o que não fica barato, mormente para países sem grande folga económica). Pode parecer uma tecnologia do passado, mas a Onda Curta revela-se um meio eficaz de comunicação quando as alternativas são caras para os ouvintes, exigem estruturas tecnológicas para a recepção/ escuta bem mais complexas e, sobretudo, que podem depender, em última instância, das autoridades locais para que a rádio se faça ouvir no país-alvo. Esperemos que o Estado Português e o Estado da Guiné-Bissau se possam entender, no sentido de resolver este conflito.

Actualização: Afinal, a actividade da Lusa não será suspensa. Todavia, parece que a suspensão das emissões da RTP vai ser mesmo imposta.

quarta-feira, junho 28, 2017

Rádios que se encontram a transmitir o concerto solidário "Juntos Por Todos"

Uma rápida passagem pelo éter e pelas emissões online de muitas das rádios locais portuguesas, resultou num número nada modesto: contabilizei 62 rádios a transmitir a emissão conjunta a partir da Meo Arena. Porventura o número real seja superior, por isso exorto os leitores do blogue que estejam a escutar rádio que me informem caso tomem conhecimento de mais rádios que se aliaram a este projecto solidário.

Rádios nacionais e cadeias de rádios: Antena 1,  RR, RFM, Mega Hits, Rádio Sim, Rádio Comercial, M80 Rádio, Rádio Amália, Rádio Regional, Rádio 5

Rádios internacionais: RDP ÁfricaRDP Internacional

Rádios fora de Portugal: WJFD (97,3 New Bedford, Estados Unidos)

Distrito de Aveiro: Rádio Terra Nova (105,0 Ílhavo), Rádio Voz da Ria (90,2 Estarreja), Rádio Ovos Moles (webrádio de Aveiro)

Distrito de Beja:
Rádio Vidigueira (90,0), Rádio Voz da Planície (104,5 Beja),  Singa FM (104,0 Ferreira do Alentejo), TLA Rádio (92,6 Aljustrel),


Distrito de Braga: Rádio Barca (99,6 Ponte da Barca), Rádio Ondas do Lima (95,0 Ponte de Lima), Rádio Popular Afifense (87,6 Viana do Castelo)

Distrito de Bragança: Rádio Terra Quente (105,2 e 105,5 Mirandela)

Distrito de Castelo Branco: Rádio Castelo Branco (92,0), Rádio Covilhã (95,6),  Rádio Clube de Monsanto (98,7 e 107,8 Idanha-a-Nova), Rádio Condestável (91,3 + 97,5 + 107,0 Sertã)


Distrito de Coimbra: RCP (92,6 Mealhada), Rádio Boa Nova (100,2 Oliveira do Hospital), Rádio Clube de Arganil (88,5 e 97,3 MHz)
Distrito de Évora: Rádio Telefonia do Alentejo (103,2 Évora), Rádio Despertar (94,5 MHz Estremoz), RC Alentejo (96,2 Mourão), Granada FM (100,1 Vendas Novas)

Distrito de Faro: Rádio Gilão (94,8 e 98,4 Tavira), Rádio Horizonte Algarve (96,9 e 106,8 Tavira), Rádio Guadiana (90,5 Vila Real de Santo António)

Distrito da Guarda: Rádio Antena Livre de Gouveia (89,6 Gouveia)

Distrito de Leiria: 94 FM (94,0 Leiria)

Distrito de Lisboa: Rádio Voz de Alenquer (93,5 e 100,6), Ultra FM (88,2 Vila Franca de Xira)

Distrito do Porto: Jornal FM (103,6 Paredes), Rádio Clube de Penafiel (91,8), Rádio Linear (104,6 Vila do Conde), Rádio No Ar (107,8 Santo Tirso), Rádio Onda Viva (96,1 Póvoa de Varzim)

Distrito de Santarém: Rádio Voz do Sorraia (94,7 Coruche), Tejo Rádio Jornal (102,9 Cartaxo)

Distrito de Setúbal: Antena Miróbriga (102,7 Santiago do Cacém), Rádio Sines (95,9), Sesimbra FM (103,9), Rádio Clube de Grândola (91,3)

Distrito de Viseu: Alive FM (89,9 Sátão), VFM (94,6 Vouzela), Douro FM (91,4 Tabuaço), Emissora das Beiras (91,2 Tondela),


Açores: R. Horizonte Açores, Top FM (Açores), 105 FM (Vila Franca do Campo), Rádio Atlântida (Ponta Delgada)

Madeira: Posto Emissor do Funchal (emissões FM e OM), Rádio Calheta (98,8)

segunda-feira, junho 26, 2017

"Juntos Por Todos": o concerto solidário por Pedrógão Grande

É já amanhã (terça-feira dia 27/06/2017), que os principais operadores de televisão em Portugal (RTP, SIC E TVI), mas também as principais rádios, transmitem, em directo, o concerto "Juntos Por Todos", evento solidário no Meo Arena, destinado a arrecadar receitas para as vítimas do grande incêndio em Pedrógão Grande e concelhos adjacentes.

O espectáculo, que inclui artistas como AGIR, Amor Electro, Ana Moura, Aurea, Camané, Carlos do Carmo, Carminho, D.A.M.A, David Fonseca, Diogo Piçarra, Gisela João, Hélder Moutinho, João Gil, Jorge Palma, Luísa Sobral, Luís Represas, Matias Damásio, Miguel Araújo, Paulo Gonzo, Pedro Abrunhosa, Raquel Tavares, Rita Redshoes, Rui Veloso, Salvador Sobral e Sérgio Godinho, será transmitido, em directo, pela rádio. À hora a que escrevo esta mensagem, sabe-se que o concerto vai ser transmitido na Antena 1, Rádio Comercial, M80 Rádio, Cidade, Smooth FMRádio Renascença, RFM, Mega Hits, Rádio SimAntena Miróbriga (102,7 MHz Santiago do Cacém), Rádio Sines (95,9 MHz), Rádio Condestável (91,3 + 97,5 + 107,0 MHz Sertã), Rádio Dom Fuas (100,1 + 98,5 Porto de Mós), Rádio Cidade de Tomar (90,5 MHz), Rádio Horizonte (96,9 + 106,8 MHz Tavira), Rádio Boa Nova (100,2 MHz Oliveira do Hospital), Rádio Cister (95,5 + 102,5 MHz Alcobaça), entre outras.

De referir que, apesar da Meo Arena já estar com lotação esgotada, é possível contribuir para esta causa, comprando um bilhete solidário no sítio blueticket.pt .

sexta-feira, junho 23, 2017

SIRESP: Sistema Inoperacional (de) Rádio (para) Emergências Surpreendentemente Perigosas?

Infelizmente, parece que se confirma o que se temia: o tristemente famoso "SIRESP", o sistema de comunicação via rádio destinado à Protecção Civil, forças de segurança, bombeiros e outros actores em cenários de catástrofe, esteve inoperacional na área de influência do fatídico incêndio de Pedrógão Grande, durante 14 horas e meia (!).

Entre as 19 horas de sábado (dia 17) e as 9h30 de domingo (dia 18/06/2017), a rede SIRESP falhou na região de Pedrógão Grande, inviabilizando as comunicações entre a Protecção Civil, a GNR e as corporações de bombeiros. Sabe-se que várias das antenas do SIRESP foram destruídas pelo fogo e que diversas estruturas essenciais para o funcionamento da rede, incluindo cabos de fibra óptica, foram afectadas. A alternativa encontrada foi o recurso a uma antena móvel, instalada numa carrinha proveniente de Lisboa. De referir que, das 4 estações móveis pertencentes à empresa do SIRESP, apenas UMA reunia as condições para ser instalada no terreno.

Sendo o blogue "Mundo da Rádio" um espaço dedicado à rádio e às radiocomunicações, coíbo-me de tecer quaisquer comentários políticos, sobretudo quando importa esperar pelo resultado das investigações que devem ser feitas, no sentido de esclarecer cabalmente em que condições específicas ocorreu a maior tragédia associada a incêndios florestais, de que há memória em Portugal. Não obstante, existem questões técnicas relacionadas com a rede de comunicações de emergência que devem ser discutidas.

Se o SIRESP é (ou devia ser) uma rede de comunicações concebida para estar operacional mesmo em situações de desastre natural, onde as redes convencionais (telefone, redes móveis, Internet, etc) podem falhar, então Portugal deveria ter uma rede SIRESP com diversos níveis de redundância que assegurassem o funcionamento do sistema inclusivamente em situações de corte de energia eléctrica durante largas horas, destruição de cabos de comunicação de dados (fibra óptica, etc), destruição de torres, etc. Esperava-se que a electricidade falhasse, as redes móveis falhassem, a Internet deixasse de funcionar... mas o SIRESP continuasse a funcionar, apesar das contingências. Se o SIRESP falha num incêncio, o que dizer do dia em que houver um sismo violento, um tornado, inundações ou outro evento de gravidade extrema, que possa pericitar a vida de milhares de pessoas? De que servem dezenas de walkie-talkies que, de um momento para o outro, deixam de comunicar uns com os outros, porque a base deixou de operar? Quantos riscos não podem ser evitados em 14 horas? Quantas vidas podem ser salvas se, durante 14 horas e meia, a rede de emergência continuar a funcionar adequadamente, não perdendo o sinall? Apesar do SIRESP permitir a comunicação directa entre transceptores, esta limita-se aos equipamentos geograficamente próximos, inviabilizando uma operação em larga escala, como é exigível num combate a um incêndio violento.

Havendo muito para investigar, não tiro, para já, qualquer ilação a respeito das causas específicas das causas das falhas de comunicação, mas, se me é permitido a ironia, quiçá fosse mais vantajoso oferecer às corporações de bombeiros walkie-talkies PMR446. Ao menos funcionam sem falhas mesmo quando as antenas do SIRESP deixam de conseguir "falar" entre si. Felizmente que ainda há veículos dos bombeiros com rádios analógicos... Por este andar, um dia assistimos a bombeiros a comunicar com a GNR através de... sinais de fumo.

segunda-feira, junho 19, 2017

18 de Junho de 2017: a rádio ao serviço de um país devastado por uma enorme tragédia...

18 de Junho de 2017. O  dia que não devia existir em Portugal. Desde a noite do dia 17 que as notícias vindas de Pedrógão Grande davam conta da dramática perda de vidas. Todavia, durante o dia 18, a comunicação social foi revelando a verdadeira dimensão da tragédia. À hora de publicação desta mensagem (madrugada do dia 19), estão contabilizadas 62 mortes, havendo igualmente 62 feridos. (*) Estes números podem, infelizmente, ser actualizados para pior, à medida que as autoridades avaliam o terreno.

No meio de tamanha catástrofe, o pior incêndio florestal do qual há memória em Portugal, a importância da rádio enquanto rainha da comunicação social torna-se evidente à medida que algumas populações ficam sem electricidade, ficam sinal de televisão, sem Internet, sem sinal das redes móveis e sem acesso a outros meios de comunicação. Enquanto se assiste à falha (e até destruição) de algumas infra-estruturas de comunicação, a rádio continua a emitir normalmente a partir do centro emissor do Trevim, no alto da Serra da Lousã, de Coimbra, de Montemor-o-Velho (no caso da Onda Média da Antena 1), ou de outros locais que coloquem sinal em Pedrógão Grande.

Neste domingo negro, a Antena 1, a Rádio Renascença, a TSF e até rádios locais como a Rádio Condestável (Sertã) não se cansaram de ir acompanhando a actualidade do teatro de operações. Nem mesmo durante a tarde desportiva de futebol da Taça das Confederações, os relatos do jogo Portugal vs. México ignoraram a realidade em Pedrógão Grande.

A rádio está presente nos bons e nos maus momentos. E o profissionalismo de quem, incansavelmente, não largava o microfone para descrever o cenário dantesco e chocante que via à frente dos olhos, merece ser reconhecido. A todos os jornalistas da rádio que fizeram (e continuam a fazer) os possíveis e os impossíveis para cobrir uma catástrofe implacável, dando a conhecer aos ouvintes as consequências de um fogo infernal, quero dizer: muito obrigado. Sem um jornalismo de qualidade, não seria fácil tomar conhecimento do que se está a passar em Pedrógão Grande e nos concelhos vizinhos por onde o fogo ainda passa, infelizmente. Esperemos que os soldados da paz, auxiliados por outros meios, consigam vencer rapidamente esta guerra... Que as 62 almas perdidas descansem em paz.

(*) Actualização às 18h do dia 19: 63 mortos e 135 feridos. De referir que, além da Rádio Condestável, pelo menos a Rádio Clube de Pombal (97,0) e a Rádio São Miguel (93,5 MHz Penela) têm estado a cobrir a tragédia. Seria interessante apurar se existem outras rádios locais a terem uma atitude louvável de prestar um grande e inestimável serviço público às populações afectadas pelo incêndio. De referir que, ainda ontem, o primeiro-ministro António Costa aludiu à importância da rádio para as populações que não têm acesso a outros meios.

Actualização às 23h do dia 19/06/2017: 64 vítimas mortais

P.S. Agora é que faltava uma "Rádio Triângulo" (até podia ter outro nome...) operacional e a prestar um verdadeiro serviço público local...

sábado, junho 17, 2017

Morreu o jornalista Joaquim Vieira

É mais uma daquelas tristes notícias que, passe o pleonasmo, têm de ser noticiadas. Faleceu o jornalista da Rádio Renascença, Joaquim Vieira, repórter do departamento desportivo da emissora católica portuguesa. Porventura o seu trabalho mais conhecido seja a cobertura de mais de 20 edições da Volta a Portugal em Bicicleta, em mais de 25 anos de "casa" na RR. Antes de ingressar na estação, chegou a trabalhar na TSF e em várias rádios locais do Porto.

À família enlutada, aos colegas e amigos, resta apresentar as minhas condolências. Que descanse em paz.