segunda-feira, maio 25, 2020

A história do arquitecto que morreu... que afinal não morreu!

Se alguém precisa de um bom exemplo do pior que se pode fazer no jornalismo, o jornal online (e rádio) "Observador" noticiou, na passada manhã, a morte do arquitecto Gonçalo Ribeiro Telles, aos 98 anos. A notícia foi reproduzida por outros órgãos de comunicação social, incluindo a Rádio Comercial.

Algum tempo depois, o  próprio "Observador" foi obrigado a desmentir a notícia, justificando-se com o argumento de que teve origem num contacto com um amigo próximo ao arquitecto.

Se há regra a seguir sempre no jornalismo, é a que diz que uma informação delicada, como a morte de uma pessoa conhecida, deve ser devidamente confirmada antes de constituir notícia. Foi o "Observador" quem errou, todavia eu manteria tudo o que disse se fosse qualquer outro meio de comunicação a fazer tamanho desconchavo. Pouco importa se se trata de uma publicação conotada com a direita ou a esquerda política, pouco importa se é um jornal nacional ou local, o âmago da questão permanece: não somente atentaram contra a dignidade do visado, como também faltaram ao respeito à família e aos amigos de Gonçalo Ribeiro Telles. Em três palavras: não se faz. Seja num jornal online com uma estação de rádio, seja num jornal sem rádio, seja numa rádio ou até na televisão, um jornalista deve ter muito cuidado com o que vai dizer ou escrever, sobretudo quando num tema eticamente sensível como é o caso da morte humana.

domingo, maio 24, 2020

Rádio Aktiv: a liberdade de se atravessar fronteiras através das ondas de rádio

A edição deste sábado do "Diário de Notícias" inclui um artigo muito interessante, publicado originalmente num site de notícias luxemburguês feito para a comunidade portuguesa e lusófona do Grão-ducado, que fala da Rádio Aktiv, uma pequena estação comunitária, com um raio de cobertura radioeléctrica de cinco quilómetros, que serve as localidades de Echternach (no Luxemburgo) e Echternacher bruck (na Alemanha). Duas terras raianas separadas por uma ponte internacional que, de repente e mercê da pandemia, viram a fronteira ser fechada.

Se as populações se viram isoladas por pelo menos dois meses, num cenário que, salvo as devidas diferenças, faz lembrar uma espécie de "Muro de Berlim sem muro", a Rádio Aktiv continuou a servir os dois países. E como o Luxemburgo tem uma comunidade portuguesa assinalável, a rádio não é feita apenas por luxemburgueses, como tem igualmente portugueses a apresentar programas na língua de Camões, de Fernando Pessoa, de Machado de Assis, entre outros.

As fronteiras podem ser repostas, as pessoas podem ser proibidas de sair de casa, todavia, as ondas electromagnéticas não querem saber de saúde pública, de política ou de outros assuntos humanos; não importa se as pessoas não se podem encontrar umas com as outras, de um ou de outro lado da ponte; a rádio faz chegar a voz do locutor a todas. A fugir de tantas interdições, a "revolução" radiofónica fazia-se com músicas como "Freedom", de George Michael, "I Fought the Law", dos The Clash, ou, pasme-se o leitor,  "Grândola, Vila Morena", de José Afonso. Vale a pena ler o artigo completo.

sábado, maio 23, 2020

" Twój ból jest lepszy niż mój": "lápis azul" da censura "ataca" na rádio pública polaca!

Que a liberdade de expressão é um direito para muitos de nós inalienável, não é menos verdade que, infelizmente, há gente neste mundo que não resiste a laivos de autoritarismo que fazem lembrar outros tempos.

Twój ból jest lepszy niż mój". Traduzindo do polaco, "A tua dor vale mais do que a minha". Este é o título de uma canção do artista Kazik Staszewski, cuja letra critica Jarosław Kaczyński,  líder do partido Lei e Justiça (PIS) actualmente no poder na Polónia, que foi visitar a campa do seu irmão, o antigo presidente polaco Lech  Kaczyński, morto num acidente de avião em 2010, numa altura em que, mercê do confinamento obrigatório imposto aos polacos na sequência da pandemia que o mundo está a enfrentar, ao cidadão comum não era permitido visitar os seus entes queridos no cemitério.

Acontece que a tal canção foi a mais votada dentro da "lista de êxitos" de um programa da rádio pública "Radio Trojka"; não obstante, foi rapidamente removida da lista presente no "site" da estação, o que foi interpretado por muitos como um acto de censura. A polémica estalou no país do pianista Frédéric Chopin e vários profissionais da rádio pediram a demissão. Além disso, vários músicos polacos anunciaram um boicote à estação.

Auto-censura ou pressão política, certo é que parece coisa tirada de um livro de História do século XX, da época em que muitos países tinham comissões de censura a aprovar ou a proibir o que as rádios podiam passar. Velhos tempos em que, por cá em Portugal, a PIDE, quando não apreendia discos, chegava a riscar com um prego o sulco de forma a que determinada canção não pudesse ser tocada devidamente no gira-discos.

Na verdade, muitas rádios públicas, incluindo a famigerada BBC britânica, praticam alguma auto-censura, no sentido de evitar tocar músicas com letra indecente ou que, de outro modo, não sejam aceitáveis numa estação que estabelece um determinado patamar de qualidade. Até em Portugal, a Rádio Renascença sempre baniu alguns temas considerados ofensivos ou atentatórios à moral cristã. Outro tipo de censura, bem mais perigoso, é o que se baseia em critérios políticos ou de outra natureza pouco clara e muitas vezes sem escrúpulos, na tentativa de instrumentalizar uma rádio em nome de uma agenda ideológica. Esperemos que este caso não seja o prenúncio do que está para acontecer na Polónia...

quinta-feira, maio 07, 2020

Serenata da Queima das Fitas de Coimbra transmitida na Antena 1 e na RUC

Se o COVID-19 obrigou ao cancelamento das tradições académicas nos moldes habituais, a rádio faz chegar o som da Serenata da Queima das Fitas de Coimbra aos estudantes, aos conimbricenses e a todos os portugueses. A Rádio Universidade de Coimbra (RUC) e a Antena 1 transmitem esta noite, a partir das 0h00, uma serenata sem público presente no local, mas que se espera que tenha público através do altifalante do receptor de rádio.

Sendo certo que estamos a viver um tempo excepcional na história contemporânea, a rádio dá voz a quem não pode ter público a assistir ao vivo - basta pouco mais do que um microfone para cantar para todo o país - incluindo para quem não tiver Internet.

sábado, abril 25, 2020

Mário Ferreira negoceia aquisição de 30,22% do capital da "Media Capital"

Mais um "episódio" do que já parece ser a "novela" da compra da Media Capital: o empresário Mário Ferreira encontra-se a encetar negociações com a Prisa espanhola para a aquisição de 30,22% do capital da empresa detentora da TVI, da Rádio Comercial e restantes rádios da MCR.

A confirmar-se o negócio, o empresário passará a deter pouco menos de um terço do "bolo"; resta saber se existem outros empresários interessados em adquirir outras "fatias" ou se Mário Ferreira pondera aumentar a participação na empresa. Resta-nos esperar para ver o que aí vem...

domingo, abril 19, 2020

One World Together at Home: música a favor da luta contra a COVID-19

Uma noite (no horário em vigor em Portugal) histórica. O "One World Together at Home", mais do que um "Live Aid" em versão feita a partir de casa, celebrou não só a boa música mas também todos os que em trabalho têm de sair à rua para assegurar o fornecimento de bens e serviços essenciais às populações isoladas pela pandemia.

Para quem não madrugou até às 3 horas da manhã para ver o evento na TVI ou ouvir na Rádio Comercial, com comentários do Nuno Markl e do Diogo Beja, a estação de rádio vai voltar a transmitir hoje à tarde, a partir das 16 horas. O cartaz, de luxo e tão variado, seria altamente improvável num mesmo festival de música: Lady Gaga, Paul McCartney, Elton John, Camila Cabello e Shawn Mendez, Eddie Vedder, Billie Eilish & Finneas, Taylor Swift, Celine Dion, Andrea Bocelli, Lady Gaga, Lang Lang, John Legend , entre outros.

Ainda que o One World Together at Home" não tenha como objectivo imediato a recolha de donativos, nunca é demais recordar que ninguém está livre de contrair o coronavírus e necessitar de cuidados médicos intensivos. Neste sentido, quem estiver em condições de o fazer, que não deixe de apoiar as instituições e as pessoas que, aqui em Portugal, ajudam quem mais precisa, seja no ramo da medicina, seja no campo económico de quem se vê sem meios de subsistência.

sexta-feira, abril 17, 2020

"Diário de Notícias" e TSF entram em "lay off" parcial a partir de segunda-feira

Mais uma notícia menos positiva para a comunicação social: o jornal "Diário de Notícias" e a rádio TSF vão entrar em regime de layoff a partir da próxima segunda-feira, dia 20 de Abril. No caso dos trabalhadores da TSF, sofrerão um corte de 25% nas horas trabalhadas, redução que será repercutida no vencimento.

As rádios passam por tempos difíceis. O governo promete investir 15 milhões de euros em publicidade institucional no intuito de mitigar os constrangimentos económicos decorrentes da crise e que afectam também os meios de comunicação social. Esperemos que uma "fatia" decente do "bolo" chegue aos operadores radiofónicos, em particular, às estações locais...