sexta-feira, abril 21, 2017

RTP procede à revisão e melhoramento da rede de emissores VHF-FM da Antena 1, Antena 2 e Antena 3





Conforme se constata na reportagem do programa da RTP1 "Portugal em Direto" do dia 20 de Abril, a RTP encontra-se a proceder à "reconversão" (a palavra é do operador público) dos emissores FM da rádio pública, nomeadamente da Antena 1, Antena 2 e Antena 3.

Se a reportagem por si só já é interessante para quem se interessa por questões técnicas, parece que vai haver em breve uma novidade muito agradável para os madeirenses que escutam a Antena 2: a rádio pública prepara-se para colocar em funcionamento uma frequência da Antena 2 a sair do Pico do Areeiro, reforçando o sinal da estação clássica na ilha da Madeira. Note-se que alguns dos emissores na ilha servem apenas a Antena 1 Madeira e a Antena 3 Madeira, pelo que a Antena 2 sai prejudicada no que diz respeito à qualidade de recepção.

sábado, abril 08, 2017

Rádio Renascença celebra 80 anos de vida com uma emissão especial, em simultâneo com a RFM, Rádio Sim e Mega Hits!

A Rádio Renascença celebra o seu 80º aniversário com uma emissão especial na próxima segunda-feira, dia 10, que, pela primeira vez na história do Grupo Renascença, será transmitida nas quatro rádios do grupo. Disse bem: a emissão comemorativa será transmitida em simultâneo na Rádio Renascença, RFM, Mega Hits e Rádio Sim, a partir das 8h17 do dia 10 de Abril, atingindo um auditório potencial de mais de 4 milhões de ouvintes.

Depois da emissão simultânea, a programação da RR continua com uma entrevista ao mítico António Sala, a partit das 10h. Às 12 horas, haverá lugar a uma Missa de Acção de Graças, transmitida a partir da capela de S. Francisco de Sales, na Quinta do Bom Pastor, que, como sabemos, é a própria "casa" da emissora católica portuguesa. A emissão especial do dia termina com uma entrevista concedida pelo Cardeal-Patriarca de Lisboa, D. José Clemente, a partir das 17 horas.

terça-feira, março 14, 2017

Locutora da Paivense FM agredida no estúdio!

Se existem situações que devem ser mencionadas, para não dizer denunciadas, no blogue, estas seguramente incluem comportamentos totalmente inaceitáveis não apenas por se tratar do posto de trabalho de uma profissional da rádio, como igualmente por consistir numa atitude condenável perante a sociedade contemporânea em que nos incluímos.

Segundo a edição de hoje do "Jornal de Notícias", citada pelo profissional da rádio Jorge Guimarães Silva na rede social "Facebook", uma locutora da Paivense FM (rádio local do concelho de Castelo de Paiva) garante ter sido sujeita a agressão por parte de um colega, quando esta estaria a gravar um programa numa hora em que apenas os dois se encontravam nas instalações da emissora e se terá dirigido ao visado no intuito de solicitar que este cessasse o barulho decorrente do arrasto de cadeiras e bater de portas. Alegadamente, o colega terá reagido fisicamente e no imediato de forma violenta, tendo a profissional em causa recebido posteriormente assistência hospitalar.

Perante uma situação com estes contornos, e não nos cabendo desempenhar o papel de magistrado, em circunstância alguma, e, por maioria da razão no sector da comunicação social onde todo e qualquer profissional deveria dar exemplos de comportamentos que beneficiem a sociedade, resolver qualquer problema recorrendo à violência física não só não resolve nenhum problema, como também não é nem pode ser considerado razoável em pleno século XXI. Numa qualquer rádio, tenha 1 ou 1 milhão de ouvintes, nenhum profissional deveria dar-se ao luxo de desprestigiar o meio através de atitudes trogloditas contra um ou uma colega. A rádio deve constituir um exemplo de seriedade e respeito pelas regras da sociedade a seguir por quem a ouve - e isto também se deve reflectir na postura adoptada quando o microfone está desligado. Independentemente do desenvolvimento do caso, que provavelmente passará pela via judicial, este episódio deve constituir um pretexto de reflexão por parte de cada profissional do sector da radiodifusão, no sentido de reforçar a linha vermelha na fronteira entre o admissível e o moral e legalmente inaceitável dentro de um estúdio de rádio. De qualquer modo, não deixo de desejar as melhoras à profissional envolvida, esperando o seu rápido restabelecimento.

quarta-feira, março 01, 2017

"Hip Hop Radio": uma nova rádio online portuguesa

Porque importa sempre destacar o surgimento de novos projectos de webrádios diferenciadoras da oferta hertziana, eis que foi ontem lançada a "Hip Hop Radio", uma rádio portuguesa dedicada à produção nacional de música "Hip Hop".

Tratando-se de uma rádio certificada pela ERC, a Hip Hop Radio promete também a presença de animação em "antena" diariamente entre as 09h00 e as 23h30. A estação pode ser escutada a partir do sítio hiphopradio.pt .

segunda-feira, fevereiro 13, 2017

Dia Mundial da Rádio

No Dia Mundial da rádio, não podia deixar de lembrar a importância que a rainha dos meios de comunicação social teve, tem e terá no mundo. Qual camaleão, a rádio tem enfrentado os desafios do futuro perante a emergência de novas formas de comunicação e entretenimento.

A História tem demonstrado que, para sobreviver não basta revelar-se o mais forte, porquanto se torna fundamental desenvolver uma capacidade de adaptação a novas circunstâncias, incluindo novos tempos. Se a televisão não matou a rádio, o advento da Internet foi visto pelas rádios como uma oportunidade e não como uma ameaça iminente. A rádio soube conjugar a tradição com as novas técnicas de comunicação, nomeadamente as redes sociais. Numa era em que existem serviços como o Spotify, entre outros, que oferecem milhões de músicas para serem escutadas onde e quando o utilizador quiser; num contexto onde as pessoas lêem as notícias na Internet, importa, às rádios, oferecer factores positivos de diferenciação relativamente às novas tendências proporcionadas pela massificação da Internet.

Ainda que o "online" tenha vindo para ficar, sendo claramente a tendência do futuro, não acredito que a rádio tradicional, por via hertziana,  seja substituída pelas emissões via Internet. Que o futuro da rádio vai ser digital, não tenho dúvidas - e a Noruega está a ser o primeiro país do mundo a digitalizar na íntegra o sector da radiodifusão. Seja DAB, DAB+, DRM ou outra tecnologia, a rádio hertziana continua a apresentar vantagens dificilmente reproduzíveis na rádio via Internet: é de acesso gratuito, a transmissão não depende do número de ouvintes, as estações não têm de depender da complexa rede de computadores e equipamentos de rede que constitui a Internet e, por último, porém não de somenos importância, apresenta uma grande flexibilidade na hora de assegurar a emissão e a recepção, mesmo em situações extraordinárias, como catástrofes. O jornal precisa de papel, a televisão precisa de um televisor e de electricidade; a Internet exige um telefone, tablet ou computador, além da ligação propriamente dita. Todavia, na óptica do ouvinte, a rádio pode limitar-se a um pequeno aparelho de bolso, que até pode ser alimentado por energia solar ou através da rotação de uma simples manivela do dínamo. 

Se tivesse de descrever em três palavras o conceito de rádio, diria que rádio é democracia. Não no sentido estritamente político do termo, mas na perspectiva de um ouvinte que, sendo rico ou pobre, more numa grande cidade ou no meio do nada, tem um meio fácil e gratuito de acompanhar o que se passa no mundo - tudo à distância de um botão e com a flexibilidade que a rádio oferece - ao contrário do espectador da televisão ou o utilizador das redes sociais, o ouvinte de rádio pode estar a trabalhar, a estudar ou simplesmente a descansar, sem ter de estar com os olhos postos num ecrã. Até em países governados por um regime político ditatorial e extremamente austero e implacável como a Coreia do Norte, por exemplo, há quem arrisque a pena de morte para ouvir ou fazer os compatriotas ouvir palavras de liberdade transmitidas por dissidentes e refugiados políticos. Com efeito, é inegável a polivalência da rádio enquanto elemento de influência da sociedade, aliando o entretenimento à informação, o desporto à cultura, a música à ciência. Mais de um século volvido da primeira transmissão de palavras e música através de ondas electromagnéticas, continua a fazer sentido a existência da rádio.

A todos os profissionais e colaboradores das rádios, o meu muito obrigado pelo trabalho em prol do melhor meio de comunicação social alguma vez inventado! Viva a rádio!

sábado, fevereiro 11, 2017

Super FM (104,8 MHz Alcochete): raio destrói instalação eléctrica e equipamento, "calando" o emissor

É o que se bem pode descrever como um grandessíssimo azar... Não bastava os problemas com que a Super FM se depara, a Natureza tinha de pregar a pior das travessuras, comprometendo a emissão hertziana da rádio rock da Margem Sul. De acordo com uma notícia colocada na página da estação na rede social "Facebook", durante uma trovoada que se fez sentir na região, um raio caiu na casota do emissor, destruindo a instalação eléctrica, atingindo não apenas componentes como o quadro eléctrico, mas também calcinou o emissor propriamente dito, o excitador, o link, uma mesa de mistura de apoio e outros aparelhos fundamentais para a emissão FM nos 104,8 MHz.

No meio de tamanha tragédia, a notícia menos má vem da torre de emissão, que escapou ilesa à "fúria dos deuses". As fotos colocadas no "Facebook" falam por si.

Perante esta contingência, a emissão da Super FM limita-se, neste nomento, ao "stream" online e às plataformas da NOS e da Meo. Esperemos que a estação possa recuperar as estruturas de emissão FM de forma tão célere quanto possível.

sábado, fevereiro 04, 2017

RTP vai "matando" a Onda Média da Antena 1...

Já havia tomado conhecimento do facto de o emissor de Faro da Antena 1 em Onda Média não estar operacional, todavia parece que já é oficial: segundo Carlos Gonçalves, em declarações ao sítio MediumWave.info, o emissor em Onda Média da Antena 1 em Faro (720 kHz Meia Légua) foi alvo de vandalismo e a administração da RTP não tenciona investir um cêntimo no seu conserto, pelo que terá o mesmo destino que o emissor de Chaves, ou seja, continuar desligado.

Entretanto, a mesma fonte revela que, na ilha açoriana da Terceira, a torre do emissor de Santa Bárbara (693 kHz) terá colapsado, pelo que se encontra inactivo. Todavia. ao contrário do tratamento concedido aos emissores OM no continente, a RTP irá instalar uma nova antena. Em todo o caso, não deixa de ser profundamente lamentável o clima de desprezo (para não dizer quase abandono) a que está condenada a Onda Média em Portugal...