terça-feira, novembro 24, 2020

Media Capital e ERC: uma relação que tem sofrido alguma agitação

As mudanças na estrutura accionista da Media Capital continuam a colocar grãos de areia na engrenagem da relação entre a empresa e a entidade reguladora da comunicação social, a ERC.

Sintetizando, a ERC publicou ontem uma deliberação que teve como efeito a suspensão dos direitos de voto dos novos accionistas da Media Capital, incluindo, entre outros, o empresário Mário Ferreira, a Triun, a Biz Partners, a CIN e a ZenithOdissey.

Hoje, um dia depois e ignorando a ameaça da ERC, a generalidade dos accionistas presentes na assembleia-geral da empresa aprovou os novos estatutos e a nova administração, presidida por Mário Ferreira.

Note-se que a entidade reguladora tem dúvidas sobre o verdadeiro dono da Media Capital, na medida em que a alteração de domínio a favor de Mário Ferreira (e de outros accionistas) não foi aprovada pela ERC, pelo que já existe um processo de contra-ordenação que poderá levar à anulação da compra de mais de 30% da Media Capital pelo empresário da DouroAzul.

Estamos certos de que a história não se vai ficar por aqui. Se toda esta indefinição acaba por prejudicar não só a TVI como também a Rádio Comercial, a M80 Rádio, a Smooth FM, a Cidade FM e a Vodafone FM, além dos restantes activos da empresa, não se espera, infelizmente, um clima de tranquilidade dentro da empresa que ofereça as melhores condições para o funcionamento da televisão e das rádios do grupo. Antes este fosse o argumento de um qualquer episódio de uma das novelas da TVI... Vamos ver no que isto vai dar...

quinta-feira, novembro 12, 2020

Rádio Comercial tem nova webrádio dedicada à música brasileira

Uma breve nota para noticiar que a Rádio Comercial lançou uma nova webrádio dedicada à música brasileira. A "Rádio Comercial Brasil" já se encontra disponível no site da estação, bem como nas aplicações para dispositivos móveis.

domingo, novembro 08, 2020

Um mau serviço público: Antena 1 não transmite conferência de imprensa do Conselho de Ministros extraordinário!

Lamentável e vergonhoso. Duas palavras para descrever o exemplo de não serviço público que a Antena 1 desempenhou na noite passada. Estando Portugal em estado de emergência e havendo um Conselho de Ministros extraordinário com direito a uma conferência de imprensa onde o primeiro-ministro do país anunciou medidas excepcionais que restringem consideravelmente a liberdade de circulação dos portugueses, o primeiro canal da rádio pública limitou-se a passar música e a transmitir o noticiário das 0h00 deste domingo, onde até tentou entrar em directo para se ouvir em condições técnicas absolutamente execráveis algumas das declarações do chefe de governo. À mesma hora, a TSF e a Rádio Observador transmitiam na íntegra a intervenção de António Costa.

Não há desculpas, senhores da RTP-rádio e, em particular da Antena 1. Custava muito interromper os programas de "enlatados" de fim-de-semana e ter um jornalista de serviço munido de um microfone colocado ao lado do das televisões, a acompanhar em directo o anúncio das novas medidas que afectarão a vida da esmagadora maioria dos portugueses? Uma rádio pública que se preze tem de ter profissionais 24 horas por dia disponíveis para qualquer eventualidade informativa que justifique a interrupção dos programas habituais para cobrir uma situação que o justifique. Sobretudo quando a reunião estava agendada há algum tempo, a Antena 1 tinha toda a obrigação de se ter preparado para cobrir a conferência. A atitude da rádio pública foi, acima de tudo, uma tremenda falta de respeito por todos os portuguesas e todas as portuguesas que, não acompanharam através da televisão e queriam poder ouvir na rádio o primeiro-ministro numa altura tão complicada para todos - por maioria de razão quando nem a TSF, nem a Rádio Observador, se ouvem em todo o país! Espero que o Sr. Provedor do Ouvinte o jornalista João Paulo Guerra, tenha a coragem de abordar este assunto num dos próximos programas.

quarta-feira, novembro 04, 2020

Emissão especial dedicada aos 70 anos do António Macedo

Vale a pena ouvir o programa especial de comemoração do 70° aniversário do António Macedo, realizado pelo CENJOR.

Tendo começado nas lides da radiodifusão na Rádio Nacional de Angola, o António Macedo passou também pela Rádio Comercial, TSF e, durante quase duas décadas, fez as manhãs da Antena 1. Um excelente profissional que indubitavelmente merece ser homenageado. Ao grande António Macedo, endereço os meus parabéns.

terça-feira, novembro 03, 2020

Rádio Dueça (94,5 MHz Miranda do Corvo) ficou literalmente sem telhado!

A Rádio Dueça (94,5 MHz Miranda do Corvo, no distrito de Coimbra) está sem emissão devido ao desabamento do telhado do edifício dos estúdios, tendo ficado sem energia eléctrica.

Com uma casa em estado grave de degradação, sem condições para funcionar, a Rádio Dueça merecia que as gentes e as instituições mirandenses se mobilizassem para encontrar e ceder um espaço minimamente digno para acolher os estúdios da estação. Esperemos que a situação seja resolvida muito em breve...

sábado, outubro 31, 2020

Global Media, proprietária da TSF, vai avançar com o despedimento colectivo de 81 trabalhadores!

Mais uma má notícia para a comunicação social em Portugal. A Global Media, empresa que detém a rádio TSF, os jornais Diário de Notícias, Jornal de Notícias, entre outros, vai avançar com o despedimento colectivo de 81 trabalhadores, incluindo 17 jornalistas.

Numa altura em que a informação de qualidade se revela imprescindível, num quadro de pandemia mundial inédita em mais de 100 anos, é de lamentar a saída de tantos profissionais de jornais centenários e de uma rádio que marcou a informação em Portugal.


Iniciativa (Ultra)Liberal quer destruir serviço público de rádio e televisão!

Tenho evitado envolver o blogue "Mundo da Rádio" na discussão de assuntos da política, contudo há propostas e situações que justificam um comentário neste espaço.

Aproveitando o embalo do projecto de revisão constitucional que o partido Chega pretende apresentar, eis que a Iniciativa Liberal decide colocar na mesa de discussão alguns assuntos, incluindo o fim da obrigação de o Estado assegurar a existência e o funcionamento do serviço público de rádio e televisão. Ora, na minha óptica, só podem existir duas razões para que os liberais defendam o fim do serviço público: ou excesso de liberalismo, que vê toda a cultura, toda a língua portuguesa, toda a informação jornalística e toda a consideração pelos portugueses como um mero produto comercial que pode sair do mercado se não der lucro, ou ignorância grosseira do que é, o que deve ou não ser, o serviço público de rádio e televisão.

Em primeiro lugar, o serviço público de rádio e televisão (chamemos-lhe, para simplificar, SPRT), deve consubstanciar-se num conjunto de programas que representem a História, a cultura portuguesa e, sobretudo, a língua portuguesa. Deve também contribuir proactivamente para o prestígio da comunicação social, credibilizando a informação. Numa altura em que as notícias falsas propagam-se numa fracção de segundo através das redes sociais, a comunicação social, em especial a de serviço público, deve ajudar os ouvintes e os telespectadores no sentido de distinguir entre o que está, de facto, confirmado e o que foi escrito, quiçá com intenções políticas veladas, com o objectivo de desacreditar os meios de informação oficiais. 

Não menos importante que os pontos anteriores, o que está também em jogo é o prestígio de Portugal, a promoção da língua portuguesa no mundo e, num país de emigração, o respeito pelos portugueses e pelos lusodescendentes espalhados pelo mundo. O quarto ponto é a garantia da segurança nacional. Na eventualidade de uma emergência, o SPRT deve estar imediatamente disponível para acompanhar em directo toda a actualização da informação relevante para os portugueses afectados por uma catástrofe natural ou outra circunstância especialmente grave (terrorismo, intervenção militar por forças estrangeiras que invadam o território nacional etc). O SPRT deve, sempre que a situação o justifique, transmitir em directo as declarações do presidente da república, do primeiro-ministro ou de outro órgão de soberania. Recordo que nos incêndios de 2017, a Antena 1 foi a única rádio com cobertura nacional que esteve a madrugada toda a acompanhar em tempo real o evoluir da situação. Isto não é serviço público, senhores da Iniciativa Liberal?

Dito isto, note-se que até agora nunca utilizei a sigla "RTP". No limite, o serviço público não tem de ser prestado pela RTP; até podia ser pela empresa "ACME" ou "XPTO" ou "Rádio Pública Portuguesa" ou outro nome que queiram inventar. O que tem de haver é uma definição legal do que é o serviço público , da entidade ou entidades que exploram o serviço público e de como o Estado assegura que o serviço é efectivamente prestado. Até admito (apesar de pessoalmente não concordar com a ideia) que seja possível que parte do SPRT seja prestado por empresas privadas, o que a Constituição da República Portuguesa impõe - e a meu ver bem! - é que, em qualquer circunstância, tem de haver uma definição clara do que é serviço público de rádio e de televisão, das suas obrigações e de como o Estado garante que o serviço público funciona de facto.

Os mais que liberais saberão que os Países Baixos, um Estado visto como um bom exemplo de liberalismo, têm a Nederlandse Publieke Omroep (NPO)? E que um país tão capitalista quanto os Estados Unidos tem a National Public Radio? Não conheço nenhum país de primeiro mundo que não tenha um serviço público de rádio e de televisão. Seja totalmente público, seja através de uma fundação, seja através de outro modelo. Nem mesmo um governo conservador-liberal como o de Margaret Thatcher ousou terminar com o serviço público da BBC. A não ser que a IL se inspire no liberalismo tão democrático do regime de Augusto Pinochet no Chile, um grande exemplo de liberdade (estou, naturalmente, a ser irónico)...

No meio de uma pandemia, a exigência do funcionamento de meios de comunicação social credíveis, sejam de empresas públicas ou privadas, é, mais do que nunca, inegável. Se as pessoas se informassem apenas através das redes sociais, a esta hora teríamos milhões de cidadãos a recusarem-se a usar máscara, hospitais em verdadeiro estado de guerra, com milhares de doentes Covid e não Covid a morrerem por falta de assistência, tudo porque as pessoas acreditavam em tudo o que liam na Internet e não havia meios de comunicação social a entrevistar epidemiologistas e outros médicos que lidam diariamente com situações complicadas, transmitindo para todo o país informação confirmada por especialistas com conhecimento de causa. Por muitos defeitos que tenham os jornalistas, estes continuam a manter o profissionalismo que não se coaduna com charlatões que não se importam que morram milhares de pessoas com Covid-19 porque querem à viva força descredibilizar a comunidade científica e o conhecimento adquirido em vários séculos de epidemias!

segunda-feira, outubro 19, 2020

Faleceu José Paulo Alcobia

A rádio pública está a noticiar a morte de José Paulo Alcobia, um profissional que passou pela Rádio Comercial, Rádio Energia, Antena 3, Antena 1 e que, nos últimos tempos, fazia parte da equipa da RDP Internacional. Crítico e comentador de cinema, José Alcobia trabalhou em programas como o "Cinemax" ou o "Costa a Costa".

Que descanse em paz. À família, amigos e colegas do radialista, apresento as minhas condolências. Hoje a rádio pública ficou um pouco mais pobre.