sexta-feira, junho 14, 2019

Rádio CAPSAO: 106,4 MHz Sobral de Monte Agraço

A Hit Rádio portuguesa (106,4 MHz Sobral de Monte Agraço) vai mudar de designação e de projecto radiofónico. Segundo uma deliberação recente da entidade reguladora (ERC), a estação inspirada na congénere marroquina vai mudar de designação para Rádio CAPSAO, nome de uma estação francesa fundada por portugueses.

O novo projecto radiofónico promete uma oferta musical diversificada, incluindo pop portuguesa e estrangeira e outros estilos, incluindo quizomba, samba, kuduro, afrohouse, electro-latino, merengue, bachata, salsa, funaná, mpb e forró, entre outros.

ERC revoga o alvará da Esposende Rádio

A ERC deliberou a revogação do alvará da Esposende Rádio (93,2 MHz Esposende, no distrito de Braga). Em causa está a penhora da licença da estação, bem como a dissolução e o encerramento da liquidação da empresa detentora do alvará, a "Jornal de Esposende – Sociedade Editora, Lda" .

E assim desaparece, infelizmente, a possibilidade de se recuperar uma rádio local do Norte do país...

terça-feira, junho 11, 2019

Rádio Observador: 98,7 MHz Seixal (!)

Ainda não é oficial, mas já está no ar: a "Rádio Observador" já efectua emissões experimentais por via hertziana, na nos 98,7 MHz Seixal (ex- Rádio Baía).

A frequência local atribuída ao concelho do Seixal já passa jingles com o que aparenta ser o slogan da nova rádio: “Rádio Observador: aconteça o que acontecer”. Não havendo, para já, mais informações a respeito da data em que arranca este novo projecto radiofónico, pertencente ao jornal digital homónimo, resta-nos aguardar por desenvolvimentos.

sábado, maio 25, 2019

"Rádio Estádio" arrancou hoje nos 96,2 Barreiro e 89,0 MHz Póvoa de Varzim

A "Rádio Estádio", o novo  projecto radiofónico desportivo encabeçado pelo empresário Bruno Costa Carvalho, iniciou hoje as suas emissões regulares por via herziana, através das frequências 96,2 MHz Barreiro (servindo a região de Lisboa) e 89,0 MHz Póvoa de Varzim (que serve a região do Porto). A nova estação ainda não tem a emissão online em funcionamento, todavia já tem um "site" que, para já, se limita a disponibilizar hiperligações para as páginas da rádio nas redes sociais, acessível a partir do endereço: https://radioestadio.pt/.

terça-feira, maio 21, 2019

Antena 2 tem nova frequência em Paredes de Coura (88,0 MHz)

A RTP colocou finalmente em funcionamento a Antena 2 no centro emissor de Paredes de Coura. Assim, a estação erudita do serviço público opera agora nos 88,0 MHz, servindo a vila minhota com recurso a uma microcobertura de 100 W.

De referir que a frequência em causa já estava atribuída há alguns anos, todavia a rádio pública só agora se dignou colocá-la em funcionamento. A RTP terá igualmente procedido a melhorias técnicas no centro emissor que beneficiam igualmente a Antena 1 (102,9) e a Antena 3 (92,3 MHz), incluindo a instalação de equipamento de recepção satélite.

terça-feira, maio 07, 2019

Rádio Comercial lança Webrádios temáticas

A Rádio Comercial lançou cinco rádios temáticas exclusivamente online, a saber: Rádio Comercial Rock, Rádio Comercial Dance, Rádio Comercial Soft, Rádio Comercial Made in Portugal e Rádio Comercial One Hit Wonders. Estas emissões online, bem como a da Rádio Comercial original, estão disponíveis no "site" da estação.

sexta-feira, maio 03, 2019

Rádios locais transmontanas boicotam acções de campanha eleitoral para as eleições europeias!

A Cadeia de Informação Regional (CIR), que engloba 6 rádios locais dos distritos de Vila Real e Bragança (Rádio Ansiães [98,1 MHz Carrazeda de Ansiães], Rádio Brigantia [97,7 e 97,3 MHz Bragança], Rádio Onda Livre [87,7 e 106,0  Macedo de Cavaleiros], Rádio Terra Quente [105,2 e 105,5 MHz Mirandela], Rádio Montalegre [97,5 MHz Montalegre] e Universidade FM [104,3 MHz Vila Real], anunciou hoje um boicote às acções de campanha eleitoral para as eleições europeias.

Em causa estão as dificuldades sentidas pelas estações locais, que se vêem com uma série de entraves que, no limite, colocam em causa a viabilidade económica das rádios. Uma das principais reivindicações das rádios é o fim da discriminação  na atribuição de tempos de antena durante as campanhas eleitorais, já que as estações locais, contrariamente aos operadores com cobertura nacional, só recebem dinheiro do Estado na sequência da transmissão dos tempos de antena para as eleições autárquicas, legislativas e para os referendos, ignorando os restantes escrutínios eleitorais em Portugal. Também a redução da burocracia excessiva a que as rádios estão sujeitas consta da lista de exigências.

É lamentável que as rádios tenham de chegar ao ponto de boicotar o trabalho político, todavia considero totalmente legítimas as queixas das rádios locais. Recorde-se que as estações locais (sobre)vivem à custa da compra de espaços publicitários, recebendo (quando recebem) muito pouco do Estado. A terem de contar diariamente os Euros para pagar as inúmeras despesas, são muitas vezes desprezadas pelo poder político e por quem deveria defender os interesses das populações locais.

Esperemos que, no dia em que as rádios se recusem a emprestar o microfone a quem não se preocupa com as dificuldades do sector, os políticos e os responsáveis pela indústria da música e pela gestão dos direitos de autor, direitos conexos e afins, percebam o quão difícil é gerir uma rádio local que não tem os meios económicos nem os meios técnicos das grandes estações de âmbito nacional...

sexta-feira, abril 26, 2019

Antena 3 celebra 25 anos de vida

A Antena 3 comemora hoje o 25° aniversário, com direito a uma emissão especial que decorreu em directo da estação do Cais do Sodré, em Lisboa.

O meu desejo para o futuro da 3? Que a rádio pública saiba aproveitar os seus recursos para lançar programas de autor e iniciativas da Antena 3 que aproxime a rádio dos ouvintes. Em particular, seria bom que a Antena 3 "entrasse" nas universidades, nas escolas (para os ouvintes mais jovens), nas instituições culturais e artísticas, nas instituições científicas, e até nas empresas criativas, nos clubes desportivos etc. Resumindo, mais do que se ter pouco mais do que apenas a "Prova Oral", ter-se programas que mostrassem o melhor que os jovens do nosso Portugal fazem. Valia a pena mostrar aos ouvintes que uma rádio não deve ser só música. Por maioria de razão, uma rádio jovem de serviço público deve ir de encontro a outros interesses dos ouvintes. E por que não na 3 um programa de divulgação científica (matemática, astronomia etc.) feita para leigos, numa linguagem acessível? Podia dar outros exemplos, todavia insisto que uma estação como a Antena 3, que mantém valores de audiência que deveriam exigir uma reflexão dentro da RTP, merecia outra dinâmica na programação.

Em todo o caso, quero agradecer a todos os profissionais que trabalham (ou trabalharam) na 3, o trabalho desenvolvido em prol do serviço público. Não obstante as minhas considerações anteriores, creio que a Antena 3 continua a destacar-se pelas escolhas musicais alternativas (claro que nem sempre as melhores) e por alguns programas que vale a pena escutar.