sexta-feira, setembro 11, 2020

Antena 1 termina com a "Tarde Desportiva" aos domingos

A Antena 1 vai descontinuar a "Tarde Desportiva", programa transmitido aos domingos há mais de 50 anos. Em causa está, entre outras razões, os horários dos jogos dos três grandes clubes portugueses (Benfica, Sporting e FCPorto), mas também a influência dos canais de televisão desportivos, que têm feito com que o horário do programa deixe de se adequar à realidade do futebol no ano de 2020.

Certo é que a rádio pública promete continuar a ter espaços desportivos, nomeadamente relatos de futebol. Passa a haver às sextas-feiras um programa de lançamento da jornada, além de um outro programa dedicado a outras modalidades, que deverá ir para o ar em Janeiro.

Terminar com a "Tarde Desportiva", a meu ver, é uma decisão adequada, quando o futebol da segunda década do século XXI já não é o futebol do século XXI e as rádios têm de saber adaptar-se a outra realidade desportiva. Se já era assim antes da pandemia, é-o, por maioria de razão, quando os estádios estão vazios e quem não tem canais desportivos em casa e não quer ou não pode sair de casa para ver televisão no restaurante ou está a viajar espera continuar a ouvir os relatos na rádio.

A lamentar mesmo é a opção de colocarem música "a metro" nas tardes de domingo da Antena 1. Podiam aproveitar o tempo para transmitir programas melhores - e para se ter um programa que vale a pena ouvir não é preciso muito: basta um microfone e talvez um convidado que traga um assunto interessante. Sejam episódios da História de Portugal, sejam curiosidades da astronomia, seja um momento melodioso de literatura, seja até música do mundo (world music), seja outro tema que se adeque ao serviço público, daria para um programa diferente que merecesse a atenção dos ouvintes nas tardes de domingo.

quinta-feira, setembro 10, 2020

Rádio Estádio: falida e cheia de dívidas

Uma reportagem recente da TVI revela o estado a que a Rádio Estádio chegou. Em poucos meses, a estação acumulou dívidas na ordem dos 2,5 milhões de euros, onde se inclui os salários em atraso dos profissionais. É este o legado que o empresário Bruno Costa Carvalho deixa aos trabalhadores e talvez a alguns fornecedores da Rádio Estádio. Bem vistas as coisas, uma rádio que funcionava de forma tão amadora que jamais deveria ter saído do papel.

sexta-feira, setembro 04, 2020

Media Capital vendida a Cristina Ferreira, Tony Carreira, Pedro Abrunhosa e outros accionistas!

Por mais insólito que possa soar, não, hoje não é dia 1 de Abril, mas não deixa de ser uma notícia surpreendente. A PRISA está a proceder à venda da totalidade da sua participação na Media Capital a vários investidores portugueses. Entre os mais de 10 novos accionistas portugueses da empresa proprietária da TVI, da Rádio Comercial, da M80 Rádio, da Cidade FM, da Smooth FM, da Vodafone FM e de outros activos, encontram-se várias figuras públicas, incluindo a apresentadora Cristina Ferreira e os artistas Tony Carreira e Pedro Abrunhosa.

Uma vez que o capital é disperso sem que nenhum accionista adquira o domínio da empresa, a operação não tem de ser aprovada pela ERC. Depois de vários avanços e recuos, onde se inclui o interesse da Cofina pela empresa, parece que é desta que a venda da Média Capital se vai concretizar.

quinta-feira, agosto 20, 2020

ERC aprova cessão do alvará da Rádio Linear à empresa da Rádio Positiva

A ERC disponibilizou, há já uns dias, uma deliberação em que autoriza a cessão do alvará da Rádio Linear (88,6 MHz Vila do Conde) a favor da empresa "Rádio Sem Fronteiras, Sociedade de Radiodifusão, S.A.", empresa detentora do alvará da Rádio Positiva (95,0 MHz Oeiras, com emissor no Porto Brandão, no concelho de Almada). Na prática, a Rádio Linear passa a ser controlada pela IURD. 

Se a ERC mantiver a coerência, não creio que autorize nos próximos dois anos a mudança do projecto aprovado para a Rádio Linear e a mudança de nome da estação, tal como procedeu no caso da Maiorca FM. A confirmar-se, não será tão depressa que a Rádio Linear passa a mero retransmissor da Rádio Positiva.

terça-feira, agosto 04, 2020

ERC autoriza compra Maiorca FM (92,1 MHz Figueira da Foz) pela Record FM... mas não permite que a estação se torne num retransmissor da Record FM

A ERC autorizou recentemente a venda da Maiorca FM (92,1 MHz Figueira da Foz, no distrito de Coimbra) à Record FM. 

A estação local da Figueira da Foz pretendia igualmente alterar a designação da rádio para "Record Maiorca" e incorporá-la na rede Record FM, todavia a entidade reguladora indeferiu tais pretensões, porquanto a alteração do projecto aprovado para uma rádio não pode ser efectuada antes de decorridos dois anos da cessão do serviço de programas. Assim, por enquanto, a Maiorca FM não poderá legalmente operar como retransmissor da emissão da cadeia de rádios da IURD.

Sendo certo que a estação se encontra a operar em condições técnicas sofríveis, um bom investimento por parte da Record FM na renovação do emissor permitirá melhorar significativamente as condições de recepção da Maiorca FM em Coimbra e na região Centro.

sexta-feira, julho 31, 2020

Mega Hits já emite em Rio Maior e Viseu!

A Mega Hits passou a emitir em Rio Maior e Viseu, substituindo a Rádio Sim. O canal jovem da emissora católica portuguesa ouve-se agora nos concelhos de Rio Maior, Santarém, Cartaxo, Alcobaça, Nazaré, Caldas da Rainha, Óbidos, Azambuja, Alcanena e Porto de Mós através da frequência de 92,6 MHz; também pode ser ouvida no concelho de Rio Maior através da microcobertura dos 99,5 MHz. A Mega Hits chega agora também aos concelhos de Viseu, Nelas, Penalva do Castelo, Oliveira do Hospital, Tondela, Castro Daire e São Pedro do Sul, através do emissor dos 106,4 MHz.

Com estas alterações dentro do grupo Renascença, o que resta da Rádio Sim fica limitado aos emissores de Palmela, Valongo (frequência atribuída ao concelho da Maia) e Portel. Em contrapartida, a Mega Hits passa a ser escutada de Lisboa a Braga praticamente sem falhas de cobertura (talvez com a excepção de algumas zonas do distrito de Leiria), graças a uma rede de nove emissores, a saber: 92,4 MHz Lisboa, 88,0 Sintra, 92,6 + 99,5 Rio Maior, 90,0 Coimbra, 106,4 Viseu, 96,5 Aveiro, 90,6 MHz Valongo (frequência atribuída ao concelho de Gondomar) e 92,9 MHz Braga.

quinta-feira, julho 23, 2020

RTP-Rádio: emissões FM do Monte da Virgem a operar temporariamente com potência reduzida devido a intervenção técnica

Uma breve nota para informar que o centro emissor das rádios públicas no Monte da Virgem, no concelho de Vila Nova de Gaia (Antena 1 - 96,7 MHz, Antena 2 - 92,5 MHz e Antena 3 - 100,4 MHz) se encontra há vários dias a operar através de um sistema radiante alternativo e provisório, com potência reduzida. Segundo o utilizador "P. Pinto" do grupo Yahoo! do "Mundo da Rádio", citado pelo utilizador Abílio Maia no "Fórum da Rádio", esta situação deve-se à realização de trabalhos na torre, que incluem a substituição integral do sistema radiante.

Com esta intervenção técnica, a RTP espera optimizar a cobertura radioeléctrica das emissões FM no Grande Porto e no Douro Litoral, enquanto racionaliza os custos de operação do centro emissor. O fim dos trabalhos (e consequentemente reestabelecimento das condições normais de emissão, está previsto para, o mais tardar, o final da corrente semana.

É uma notícia saber que a rádio pública está mesmo a investir na melhoria das condições técnicas de emissão. Claro que há um longo caminho a percorrer até que a rádio pública funcione com os meios adequados - e o Provedor do Ouvinte já por várias vezes denunciou as condições sofríveis em que as rádios da RTP se mantêm no ar-, mas é um bom começo.

terça-feira, julho 21, 2020

Rádio Observador sintonizada nos 98,4 MHz... na Finlândia!

Não tenho o hábito de falar de DX (captação de sinais de rádio a grandes distâncias) no blogue principal do "Mundo da Rádio", mas a situação relatada hoje pela Rádio Observador justifica o esclarecimento dos profissionais da estação, dos ouvintes, e de quem se interessa pela captação de emissões de rádio FM a distâncias (entre as antenas emissoras e os receptores dos ouvintes) invulgarmente elevadas.

Contando a história de forma lacónica, Jim Solatie, um DXista, entusiasta da captação de emissões de rádio a centenas e milhares de quilómetros da antena emissora, conseguiu sintonizar, na Finlândia e a cerca de 140 km da capital do país, Helsínquia, o sinal FM da Rádio Observador nos 98,4 MHz, que é emitido das antenas localizadas no Monte de Santa Eufémia, no limite geográfico dos concelhos de Vila do Conde e da Trofa. Contas feitas, uma distância na ordem dos 3000 a 3200 km.

Esta captação extraordinária, registada no passado dia 12 de Julho, foi o assunto do programa "E=mc^2" do dia de hoje, que pode ser ouvido em podcast. Para comentar esta situação insólita, a Rádio Observador convidou o professor Nuno Borges de Carvalho, da Universidade de Aveiro. Não obstante, e salvo o devido respeito pelo senhor professor, considero que a explicação terá sido um pouco confusa, mormente para um leigo, pelo que tomei a iniciativa de tentar ajudar a compreender melhor o fenómeno.

Antes de mais, permitam-me que recomende um artigo da minha autoria onde, modéstia à parte, tento descrever, da forma mais simples que consegui encontrar, as várias formas de propagação de sinais de rádio FM a distâncias elevadas. Tenho feito um esforço para descomplicar, na medida do possível,esta matéria, quando praticamente toda a bibliografia existente encontra-se em inglês e noutras línguas que não o português.

Regra geral, a propagação das ondas de rádio no FM é feita em linha de vista, podendo atingir, no máximo e em condições muito favoráveis, uma distância de cerca de 160 km. Contudo, por vezes surgem condições atmosféricas que possibilitam a recepção de sinais a centenas ou até milhares de quilómetros do emissor.

O fenómeno de propagação mais comum é o da condução troposférica, que ocorre quando há uma inversão térmica que faz com que as ondas fiquem "presas" num "canal" por onde circulam por centenas ou até milhares de quilómetros. Os sinais costumam permanecer de forma relativamente estável durante longos minutos ou até horas e este tipo de propagação é mais comum e tem maior intensidade no Verão, nomeadamente durante a noite. No Sul do continente, na margem Sul do Tejo, no Alentejo e no Algarve, não é raro ouvir-se no Verão estações de rádio marroquinas, madeirenses e até, por vezes, das ilhas Canárias, a cerca de 1300 km da nossa costa! Também é comum ouvir, em certas zonas do Sul e Centro, rádios do Norte do país.

Outro fenómeno, que geralmente ocorre no início do Verão, (sobretudo entre finais de Maio e meados de Julho), é a propagação ionosférica via esporádica "E". Afectando sobretudo as frequências mais baixas da banda FM (87,5~108 MHz), mas podendo subir inclusivamente acima dos 108 MHz, permite a recepção de rádios localizadas a milhares de quilómetros de Portugal. A título pessoal, já captei emissões de países como o Reino Unido, a Itália, a Croácia, a Tunísia, entre outros. Aliás, tenho inúmeros vídeos de captações no meu canal do YouTube.

De referir que existem outros tipos de propagação, que por razões de espaço não abordarei nesta publicação, sugerindo ao leitor que consulte o artigo supramencionado.

Considerando o que se sabe e o que foi dito, parece-me que a captação resulta da condução troposférica invulgarmente favorável, que criou uma "estrada" na atmosfera por onde as ondas da Rádio Observador viajaram até à Finlândia - o que não deixa de ser um feito digno de registo. Não sei falar finlandês, mas vou dizer: Congratulations, Jim Solatie! Nice catch! Como se diz na gíria, bons 73 a todos os que gostam de realizar captações de sinais de rádio a distâncias consideráveis!

Faleceu o jornalista e antigo director de informação da rádio pública Manuel Vaz Bravo

Hoje é um dia duplamente triste para a rádio em Portugal. Depois de ficarmos a saber que tinha falecido o jornalista Luís Filipe Costa, eis que a Antena 1 anuncia que faleceu, aos 80 anos de idade, Manuel Vaz Bravo, jornalista, subchefe e chefe de redacção, director-adjunto e director de informação da Antena 1, além de técnico e chefe de exteriores, tendo inclusivamente sido responsável pelo Museu da Rádio.

De referir que o jornalista Manuel Bravo entrou para a Emissora Nacional no dia 28 de Maio de 1964, tendo também trabalhado no Rádio Clube Português. Que descanse em paz. Sem Luís Filipe Costa e Manuel Vaz Bravo, hoje perdemos duas referências históricas da rádio que se fez em Portugal nas últimas seis décadas.


Faleceu o jornalista Luís Filipe Costa, o homem que leu os comunicados do MFA ao microfone do RCP

Morreu o jornalista, radialista e realizador de televisão Luís Filipe Costa. O profissional, que marcou a história contemporânea de Portugal por ter lido aos microfones do Rádio Clube Português os comunicados do MFA na madrugada do dia 25 de Abril de 1974, trabalhou sobretudo na área da televisão.

Hoje a comunicação social ficou mais pobre. Que o grande profissional Luís Filipe Costa descanse em paz.

segunda-feira, julho 20, 2020

ARIC alerta que algumas rádios locais encontram-se a ponderar o encerramento nas próximas semanas

A ARIC (Associação de Rádios de Inspiração Cristã) publicou um comunicado em que afirma que muitas rádios locais estão a encarar a possibilidade de fechar nas próximas semanas, mercê das dificuldades agravadas pela quebra de actividade económica derivada da pandemia.

Trata-se, evidentemente, de uma notícia preocupante e triste, mas que reflecte os constrangimentos  pecuniários que afectam as rádios locais há muitos anos.

Eu compreendo que existam rádios locais bem geridas e que cumprem o seu papel a denunciar as dificuldades económicas. E, certamente, ainda haverá umas tantas. Todavia, e por mais desagradável que seja de ouvir, também existem rádios transformadas em pouco mais do que música atrás de música, seleccionada por um software de automação, um jornalista a ler as notícias e talvez até um programa religioso pago por uma instituição religiosa (nomeadamente na área do evangelismo) para equilibrar as contas. Por outro lado, há muitas rádios locais que foram despromovidas a meros retransmissores de estações de rádio com estúdios em Lisboa e que já nem disfarçam na hora de apresentar as notícias do concelho para o qual o alvará da rádio local foi atribuído, colocando um jornalista em Lisboa a relatar, em poucos minutos e a dezenas ou até a centenas de quilómetros da "terra", os últimos desenvolvimentos da política, da sociedade e eventualmente uma referência ao desporto regional.

Talvez a melhor solução para os problemas das rádios em Portugal passasse, houvesse vontade política, pela criação de rádios distritais que cobrissem todo o distrito e que acompanhassem a actualidade numa perspectiva regional. Também o estabelecimento de cadeias de rádios, que fossem autorizadas a emitir 24 horas por dia a mesma programação regional em todas as frequências, na condição de prestarem um verdadeiro serviço público de informação na região onde se inserem, fosse uma boa ideia. Porque, mais do que cadeias de rádios a tocarem playlists repetitivas ou a passarem propaganda religiosa, Portugal precisa de rádios locais que se unam no sentido de servir realmente as populações. Se não há condições para termos uma rádios local em cada concelho a querer concorrer com a rádio do concelho vizinho, que haja coragem política e empresarial para facilitar a criação de rádios regionais. Também ajudava uma alteração legislativa que autorizasse a criação de rádios comunitárias sujeitas a um regime fiscal, de pagamento de direitos de autor e direitos conexos, substancialmente mais favorável do que o aplicado aos grandes operadores radiofónicos. Mais do que "migalhas" dos 15 milhões de euros em publicidade comprados pelo Estado, as rádios precisam que o Estado lhes facilite a vida, reduzindo a burocracia e as exigências fiscais, enquanto facilita a reinvenção necessária à sobrevivência das estações e a sua adaptação a uma nova realidade decorrente das mudanças no mundo provocadas pela pandemia.

sábado, julho 18, 2020

Media Capital: trocas e baldrocas

"Trocas & Baldrocas". Este podia muito bem ser o título da próxima novela da TVI, tal é a quantidade de mudanças no seio da Media Capital, que pode não só afectar o funcionamento do operador de televisão como também reflectir-se no funcionamento das rádios do grupo (Rádio Comercial, M80 Rádio, Cidade FM, Smooth FM e Vodafone FM).

Depois de Manuel Alves Monteiro ter sido promovido a CEO da Media Capital, a ERC tomou a iniciativa de avaliar as mudanças na estrutura da TVI. No limite, a terem existido irregularidades gravíssimas, a entidade reguladora poderá suspender a licença do canal. Ao que parece, não obstante o interesse da Cofina na aquisição da empresa, a guerra entre a dona do "Correio da Manhã" e o empresário Mário Ferreira continua. Certo é que a estrutura accionista da Media Capital está em processo de mudanças, incluindo a entrada de uma accionista bem conhecida pelos portugueses: a apresentadora de televisão Cristina Ferreira.

Indubitavelmente, o futuro da Media Capital continuará a fazer correr muita "tinta" digital nos sites de informação; seja como for, a instabilidade resultante da indefinição de quem manda no quê e quem deve fazer o quê numa empresa de comunicação social não contribui positivamente para o regular funcionamento dos canais de televisão e de rádio dessa empresa - sobretudo quando, no caso da TVI, já houve várias saídas e entradas de profissionais. Resta saber se o ímpeto reformista não irá afectar as rádios do grupo nos próximos tempos...

segunda-feira, julho 06, 2020

Mega Hits brevemente também em Rio Maior (92,6 + 99,5) e em Viseu (106,4 MHz)

Já é oficial: a ERC publicou duas deliberações que autorizam a até agora Rádio Sim- Rio Maior (92,6 + 99,5 MHz) e a Rádio Sim - Noar (106,4 MHz Viseu) a mudar as respectivas designações e a transmitir a Mega Hits (Mega Hits Rio Maior e Mega Hits Viseu, respectivamente).

Deste modo, o canal jovem da emissora católica portuguesa contará brevemente com um importante reforço de cobertura, servindo o Ribatejo e a região de Viseu. Por apurar continua o destino a ser dado às restantes rádios locais que transmitem o que resta da Rádio Sim descontinuada: 102,2 MHz Palmela, 100,8 MHz Maia (emissor em Valongo) e 97,5 MHz Portel.

A Mega Hits contará com emissores, a saber: 92,4 MHz Lisboa; 88,0 MHz Sintra; 92,6 e 99,5 MHz Rio Maior; 90,0 MHz Coimbra; 96,5 MHz Aveiro, 106,4 MHz Viseu, 90,6 MHz Gondomar (emissor em Valongo) e 92,9 MHz Braga.

domingo, julho 05, 2020

D+ FM: a nova rádio nos 93,7 MHz Amadora

A "93.7 FM" (ex-Fi FM) mudou de designação. Depois da Rádio Mais, da Central FM, da Lights FM, da Rádio Mais, da Kiss FM Lisboa e da Fi FM, a frequência 93,7 MHz atribuída ao concelho da Amadora adoptou um novo nome: "D+ FM". A nova rádio, que ao que parece vai ter vozes novas, promete colocar no ar novos programas dentro de dias.

Para já, o emissor continua a utilizar a configuração do RDS respeitante à Fi FM. Do que ouvi ontem à noite, a playlist aparenta ser sobretudo de música portuguesa, uma ou outra brasileira e pouca música em inglês. Para já, não se conhece site ou sequer emissão online da estação. Tratando-se de uma frequência que em 31 anos já viu tantos projectos radiofónicos, esperemos que a D+ FM seja uma rádio de sucesso na Grande Lisboa...

quinta-feira, julho 02, 2020

Última hora: Rádio Renascença nos emissores de Elvas da Rádio Sim... e com RDS!





As frequências da Rádio Sim em Elvas (99,8 MHz e 102,3 MHz) passaram hoje a transmitir a emissão do "Canal 1" da Rádio Renascença, e, pela primeira vez em longos anos de funcionamento dos emissores da antiga "Voz de Elvas" da RR e mais tarde "Rádio Sim - Elvas", com RDS. Curiosamente, o RDS-PS das duas frequências é "__RR____", situação inédita na emissora católica portuguesa, que o utiliza o texto "___RR___" nos restantes emissores. De referir que, aparentemente, os 97,5 MHz Portel da Rádio Sim - Alentejo continuam a tocar a playlist da Rádio Sim.



Actualização: parece que o emissor de Braga (101,1 MHz) também já emite a RR com RDS, o que leva a crer que estamos a assistir ao fim da estação sénior do grupo RR.

Actualização #2: ao que parece, o emissor da Maunça (Batalha) - 95,1 MHz, que serve a região de Leiria/ Fátima , também já emite a RR.

quarta-feira, julho 01, 2020

Projecto Eira: rádio temporária em S. Gregório (Caldas da Rainha) - 101,0 MHz

Encontra-se em funcionamento uma rádio temporária na aldeia de São Gregório, no concelho das Caldas da Rainha. A estação, que estará no ar até ao próximo dia 12 (mas volta em Outubro e Dezembro), encontra-se inserida no projecto "Eira" da Osso- Associação Cultural, está disponível no FM em São Gregório na frequência de 101,0 MHz e através de emissão online.

quarta-feira, junho 17, 2020

"Regresso ao Futuro": Rádio Comercial e RFM passam apenas música portuguesa na próxima sexta-feira (dia 19 de Junho)

Antecedendo o festival "Regresso ao Futuro", evento que decorrerá em várias zonas do país onde se realizarão concertos de artistas portugueses e que se destina a apoiar os artistas que ficaram sem rendimento por causa da pandemia, a Rádio Comercial passará exclusivamente música portuguesa entre as 7 horas e a meia-noite da próxima sexta-feira, dia 19 de Junho. A rival RFM vai mais longe: na próxima sexta, a rádio das "grandes músicas" tocará igualmente apenas músicas portuguesas mas durante 24 horas, da meia-noite de sexta à meia-noite de sábado.

Uma excelente iniciativa por parte das duas rádios. Será pedir demais que as duas rádios saibam apresentar playlists variadas, não concentradas unicamente nos artistas dos "tops" e "das músicas que se ouvem em todo o lado". A música portuguesa não é só Xutos, Diogo Piçarra, Bárbara Tinoco, Bárbara Bandeira, João Pedro Pais, Anjos e pouco mais. O meu repto aos senhores da Rádio Comercial e da RFM: e que tal, por um dia, ouvir-se na Comercial e na RFM, artistas e bandas como os Cassete Pirata, Filipe Sambado, Linda Martini, Márcia, Lena D' Agua, Capitão Fausto (não apenas um ou dois temas mais conhecidos), além de alguns temas mais antigos dos Clã (a par de um ou dois do novo disco), entre outros exemplos? A música portuguesa não é feita somente de músicas tocadas até à exaustão nas rádios.

terça-feira, junho 02, 2020

Rádio Comercial na Madeira e nos Açores: para quando?

Na antevisão do espectáculo "Deixem o Pimba em Paz", que foi transmitido pela Rádio Comercial, o director da estação, Pedro Ribeiro, disse que não deixaria de aproveitar a presença do Primeiro-Ministro para lhe transmitir a frustração por parte do operador derivada da falta de cobertura radioeléctrica (no FM) da emissora nos arquipélagos da Madeira e dos Açores, que não terá sido até agora autorizado a estender a rede de emissores às ilhas.

Esta é uma questão antiga mas que merece ser abordada neste blogue. Durante muitos anos, as únicas rádios ditas nacionais que se escutavam nos arquipélagos eram as rádios públicas (e mesmo assim a Antena 3 só chegou ao FM açoriano há dez anos). Poucos meses depois, foi a vez da Rádio Renascença e da RFM "ganharem" um emissor na ilha de São Miguel e outro na ilha da Madeira.

Entretanto, a Rádio Comercial continua a ser uma "rádio nacional excepto Madeira e Açores" em vez de ser uma estação nacional sem aspas, sem asteriscos. Literalmente nacional de Norte a Sul do continente e nas regiões autónomas. O precedente foi aberto: a Rádio Renascença e a RFM são rádios nacionais detidas por um grupo privado (com interesses religiosos mas não deixa de constituir um operador radiofónico com duas rádios nacionais e algumas locais (alguns emissores da Rádio Sim e da Mega Hits)), autorizadas a emitir nos arquipélagos.

Não está em causa o gosto pessoal de cada um, se gostamos muito ou gostamos pouco da estação da MCR; aos olhos da lei todos os operadores radiofónicos privados com cobertura nacional devem estar em igualdade de circunstâncias. Se existem obstáculos legais à colocação de emissores da Rádio Comercial na Madeira e nos Açores então que o governo e a ANACOM queiram desbloquear esta situação. Não me parece tecnicamente inviável encontrar uma frequência livre no Pico da Barrosa (ilha de São Miguel) e outra na ilha da Madeira, no mínimo. A solução mais razoável seria um emissor na ilha de São Miguel, que servisse o grupo Oriental dos Açores, um emissor na ilha Terceira que chegasse a várias zonas do Grupo Central e um emissor na ilha da Madeira que cobrisse grande parte da ilha. Senhor Primeiro-Ministro, senhoras e senhores governantes, senhoras e senhores da ANACOM, queiram mostrar aos açorianos e madeirenses que as populações insulares têm tanto direito ao acesso às rádios de cobertura nacional quanto as continentais. Portugal é Portugal, incluindo as ilhas!

segunda-feira, maio 25, 2020

A história do arquitecto que morreu... que afinal não morreu!

Se alguém precisa de um bom exemplo do pior que se pode fazer no jornalismo, o jornal online (e rádio) "Observador" noticiou, na passada manhã, a morte do arquitecto Gonçalo Ribeiro Telles, aos 98 anos. A notícia foi reproduzida por outros órgãos de comunicação social, incluindo a Rádio Comercial.

Algum tempo depois, o  próprio "Observador" foi obrigado a desmentir a notícia, justificando-se com o argumento de que teve origem num contacto com um amigo próximo ao arquitecto.

Se há regra a seguir sempre no jornalismo, é a que diz que uma informação delicada, como a morte de uma pessoa conhecida, deve ser devidamente confirmada antes de constituir notícia. Foi o "Observador" quem errou, todavia eu manteria tudo o que disse se fosse qualquer outro meio de comunicação a fazer tamanho desconchavo. Pouco importa se se trata de uma publicação conotada com a direita ou a esquerda política, pouco importa se é um jornal nacional ou local, o âmago da questão permanece: não somente atentaram contra a dignidade do visado, como também faltaram ao respeito à família e aos amigos de Gonçalo Ribeiro Telles. Em três palavras: não se faz. Seja num jornal online com uma estação de rádio, seja num jornal sem rádio, seja numa rádio ou até na televisão, um jornalista deve ter muito cuidado com o que vai dizer ou escrever, sobretudo quando num tema eticamente sensível como é o caso da morte humana.

domingo, maio 24, 2020

Rádio Aktiv: a liberdade de se atravessar fronteiras através das ondas de rádio

A edição deste sábado do "Diário de Notícias" inclui um artigo muito interessante, publicado originalmente num site de notícias luxemburguês feito para a comunidade portuguesa e lusófona do Grão-ducado, que fala da Rádio Aktiv, uma pequena estação comunitária, com um raio de cobertura radioeléctrica de cinco quilómetros, que serve as localidades de Echternach (no Luxemburgo) e Echternacher bruck (na Alemanha). Duas terras raianas separadas por uma ponte internacional que, de repente e mercê da pandemia, viram a fronteira ser fechada.

Se as populações se viram isoladas por pelo menos dois meses, num cenário que, salvo as devidas diferenças, faz lembrar uma espécie de "Muro de Berlim sem muro", a Rádio Aktiv continuou a servir os dois países. E como o Luxemburgo tem uma comunidade portuguesa assinalável, a rádio não é feita apenas por luxemburgueses, como tem igualmente portugueses a apresentar programas na língua de Camões, de Fernando Pessoa, de Machado de Assis, entre outros.

As fronteiras podem ser repostas, as pessoas podem ser proibidas de sair de casa, todavia, as ondas electromagnéticas não querem saber de saúde pública, de política ou de outros assuntos humanos; não importa se as pessoas não se podem encontrar umas com as outras, de um ou de outro lado da ponte; a rádio faz chegar a voz do locutor a todas. A fugir de tantas interdições, a "revolução" radiofónica fazia-se com músicas como "Freedom", de George Michael, "I Fought the Law", dos The Clash, ou, pasme-se o leitor,  "Grândola, Vila Morena", de José Afonso. Vale a pena ler o artigo completo.

sábado, maio 23, 2020

" Twój ból jest lepszy niż mój": "lápis azul" da censura "ataca" na rádio pública polaca!

Que a liberdade de expressão é um direito para muitos de nós inalienável, não é menos verdade que, infelizmente, há gente neste mundo que não resiste a laivos de autoritarismo que fazem lembrar outros tempos.

Twój ból jest lepszy niż mój". Traduzindo do polaco, "A tua dor vale mais do que a minha". Este é o título de uma canção do artista Kazik Staszewski, cuja letra critica Jarosław Kaczyński,  líder do partido Lei e Justiça (PIS) actualmente no poder na Polónia, que foi visitar a campa do seu irmão, o antigo presidente polaco Lech  Kaczyński, morto num acidente de avião em 2010, numa altura em que, mercê do confinamento obrigatório imposto aos polacos na sequência da pandemia que o mundo está a enfrentar, ao cidadão comum não era permitido visitar os seus entes queridos no cemitério.

Acontece que a tal canção foi a mais votada dentro da "lista de êxitos" de um programa da rádio pública "Radio Trojka"; não obstante, foi rapidamente removida da lista presente no "site" da estação, o que foi interpretado por muitos como um acto de censura. A polémica estalou no país do pianista Frédéric Chopin e vários profissionais da rádio pediram a demissão. Além disso, vários músicos polacos anunciaram um boicote à estação.

Auto-censura ou pressão política, certo é que parece coisa tirada de um livro de História do século XX, da época em que muitos países tinham comissões de censura a aprovar ou a proibir o que as rádios podiam passar. Velhos tempos em que, por cá em Portugal, a PIDE, quando não apreendia discos, chegava a riscar com um prego o sulco de forma a que determinada canção não pudesse ser tocada devidamente no gira-discos.

Na verdade, muitas rádios públicas, incluindo a famigerada BBC britânica, praticam alguma auto-censura, no sentido de evitar tocar músicas com letra indecente ou que, de outro modo, não sejam aceitáveis numa estação que estabelece um determinado patamar de qualidade. Até em Portugal, a Rádio Renascença sempre baniu alguns temas considerados ofensivos ou atentatórios à moral cristã. Outro tipo de censura, bem mais perigoso, é o que se baseia em critérios políticos ou de outra natureza pouco clara e muitas vezes sem escrúpulos, na tentativa de instrumentalizar uma rádio em nome de uma agenda ideológica. Esperemos que este caso não seja o prenúncio do que está para acontecer na Polónia...

quinta-feira, maio 07, 2020

Serenata da Queima das Fitas de Coimbra transmitida na Antena 1 e na RUC

Se o COVID-19 obrigou ao cancelamento das tradições académicas nos moldes habituais, a rádio faz chegar o som da Serenata da Queima das Fitas de Coimbra aos estudantes, aos conimbricenses e a todos os portugueses. A Rádio Universidade de Coimbra (RUC) e a Antena 1 transmitem esta noite, a partir das 0h00, uma serenata sem público presente no local, mas que se espera que tenha público através do altifalante do receptor de rádio.

Sendo certo que estamos a viver um tempo excepcional na história contemporânea, a rádio dá voz a quem não pode ter público a assistir ao vivo - basta pouco mais do que um microfone para cantar para todo o país - incluindo para quem não tiver Internet.

sábado, abril 25, 2020

Mário Ferreira negoceia aquisição de 30,22% do capital da "Media Capital"

Mais um "episódio" do que já parece ser a "novela" da compra da Media Capital: o empresário Mário Ferreira encontra-se a encetar negociações com a Prisa espanhola para a aquisição de 30,22% do capital da empresa detentora da TVI, da Rádio Comercial e restantes rádios da MCR.

A confirmar-se o negócio, o empresário passará a deter pouco menos de um terço do "bolo"; resta saber se existem outros empresários interessados em adquirir outras "fatias" ou se Mário Ferreira pondera aumentar a participação na empresa. Resta-nos esperar para ver o que aí vem...

domingo, abril 19, 2020

One World Together at Home: música a favor da luta contra a COVID-19

Uma noite (no horário em vigor em Portugal) histórica. O "One World Together at Home", mais do que um "Live Aid" em versão feita a partir de casa, celebrou não só a boa música mas também todos os que em trabalho têm de sair à rua para assegurar o fornecimento de bens e serviços essenciais às populações isoladas pela pandemia.

Para quem não madrugou até às 3 horas da manhã para ver o evento na TVI ou ouvir na Rádio Comercial, com comentários do Nuno Markl e do Diogo Beja, a estação de rádio vai voltar a transmitir hoje à tarde, a partir das 16 horas. O cartaz, de luxo e tão variado, seria altamente improvável num mesmo festival de música: Lady Gaga, Paul McCartney, Elton John, Camila Cabello e Shawn Mendez, Eddie Vedder, Billie Eilish & Finneas, Taylor Swift, Celine Dion, Andrea Bocelli, Lady Gaga, Lang Lang, John Legend , entre outros.

Ainda que o One World Together at Home" não tenha como objectivo imediato a recolha de donativos, nunca é demais recordar que ninguém está livre de contrair o coronavírus e necessitar de cuidados médicos intensivos. Neste sentido, quem estiver em condições de o fazer, que não deixe de apoiar as instituições e as pessoas que, aqui em Portugal, ajudam quem mais precisa, seja no ramo da medicina, seja no campo económico de quem se vê sem meios de subsistência.

sexta-feira, abril 17, 2020

"Diário de Notícias" e TSF entram em "lay off" parcial a partir de segunda-feira

Mais uma notícia menos positiva para a comunicação social: o jornal "Diário de Notícias" e a rádio TSF vão entrar em regime de layoff a partir da próxima segunda-feira, dia 20 de Abril. No caso dos trabalhadores da TSF, sofrerão um corte de 25% nas horas trabalhadas, redução que será repercutida no vencimento.

As rádios passam por tempos difíceis. O governo promete investir 15 milhões de euros em publicidade institucional no intuito de mitigar os constrangimentos económicos decorrentes da crise e que afectam também os meios de comunicação social. Esperemos que uma "fatia" decente do "bolo" chegue aos operadores radiofónicos, em particular, às estações locais...

terça-feira, abril 07, 2020

Rádio Renascença não pondera avançar para "lay-off"

Numa altura em que as rádios se deparam com o agravamento das dificuldades no cumprimento dos compromissos financeiros, mercê da situação extraordinária que estamos a viver, há notícias mais animadoras: o bispo auxiliar de Lisboa e presidente do Conselho de Administração do Grupo Renascença Comunicação Multimédia, D. Américo Aguiar, anunciou que a emissora católica portuguesa afasta, para já, a possibilidade de colocar trabalhadores em "lay-off".

Estamos certos que, para as estações de rádio, não será fácil passar estas semanas de incerteza, sabendo que o futuro próximo, nos meses que se seguem à fase de confinamento obrigatório, vai ser de grandes dificuldades financeiras para muitas empresas. Todavia, não há que perder a esperança na superação das duas crises, a começar na saúde pública e a acabar na retracção da economia. Permitam-me que aproveite esta publicação para, mais uma vez, agradecer a todos os profissionais da comunicação social, em especial aos das rádios, que fazem todos os possíveis para assegurar a normalidade possível nas estações de radiodifusão, num contexto de anormalidade inédita em mais de um século. Mesmo tendo de fazer das próprias casas "quartéis-generais" equipados com um microfone e um computador, não deixam de cumprir o papel fundamental de uma rádio: informar e entreter os ouvintes. A todos os que trabalham para as rádios a partir de casa, bem como aos que têm de ganhar coragem todos os dias para sair à rua e deslocar-se aos estúdios, tenho a dizer: muito obrigado!

quarta-feira, abril 01, 2020

Isolamento social leva portugueses a "sintonizar" via Internet uma rádio que emite do Pólo Norte!

Parece uma brincadeira do dia 1 de Abril mas é verdade: depois do Nuno Markl ter falado, no programa de Bruno Nogueira no Instagram chamado "Como é que o bicho mexe",  de uma estação de rádio que passa músicas antigas tocadas de discos de vinil e de goma-laca, sobretudo de jazz e de blues, eis que a "Arctic Outpost", a tal estação, que emite na Onda Média (1270 kHz) e na Internet, a partir de Longyearbyen, capital do arquipélago de Svalbard, pertencente à Noruega, ganhou mais de 40000 seguidores portugueses.

O crescimento súbido da audiência através da Internet levou a estação a esgotar a capacidade do servidor, tal foi a adesão dos portugueses a este projecto radiofónico. O responsável pela estação, Carl Lockwood, promete reforçar a capacidade dos servidores de "streaming".

Em tempos de "guerra" contra um vírus invisível, a rádio tem a magia de unir Portugal e o Pólo Norte, mesmo que seja via Internet. Não importa a língua nativa, não importa a cultura, não importa as ideias políticas, não importa as divergências desportivas: a rádio consegue unir povos em tempos de crise. Esta é, seguramente, a melhor prova da beleza da rádio.

quinta-feira, março 19, 2020

Gerry & The Pacemakers - You'll Never Walk Alone: uma música para levantar o moral numa hora tão difícil

Permitam-me que cite o texto de João Saavedra, publicado na rede social Facebook:


"Esta 6ª feira, a música de Gerry & The Pacemakers vai unir rádios de toda a Europa. São cerca de 200 rádios que ao mesmo tempo esta 6ª feira, às 8:45h CET, 7:45 em Portugal continental, vão em simultâneo tocar o tema.
A canção foi ao longo dos tempos tornada popular como um hino de força e ânimo em tempos de grande adversidade. Durante a 2ª guerra mundial, era um hino de esperança para os ingleses.
Juntas, rádios públicas e privadas, dos Alemanha, Áustria, Bélgica, Bulgária, Chipre, Dinamarca, Eslováquia, Espanha, Estônia, Finlândia, França, Georgia, Irlanda, Letónia, Lituânia, Luxemburgo, Países Baixos, Polónia, Portugal, Reino Unido, Romênia, Suíça e Turquia".

Por cá, esta iniciativa já tem a confirmação da Antena 1, Antena 3, RDP África e Rádio ZigZag.


COVID-19: Ponto de situação das rádios

Na sequência da situação de ameaça à saúde pública que estamos a viver, as rádios têm estado a trabalhar sob um regime de contingência que tem afectado o funcionamento das estações.

Entre as medidas adoptadas, a RTP transmite os noticiários da Antena 1, RDP Internacional e RDP África em simultâneo na Antena 3. No caso do Grupo Renascença, as emissões da RFM e da Mega Hits já são feitas integralmente a partir de casa dos profissionais. Grande parte da programação da Rádio Renascença é igualmente feita remotamente.

Podia falar em muitas outras rádios, mas tenho que destacar o verdadeiro papel de serviço público e responsabilidade social que a Rádio Comercial tem desempenhado neste período de excepção. É sempre difícil, mesmo para as rádios, ter de assegurar as emissões a partir das casas dos profissionais, recorrendo a uma Internet que nunca havia sido tão solicitada até ao limite da capacidade da rede como tem sido nos últimos dias. É complicado gerir uma equipa de profissionais de rádio que trabalha em vários "estúdios" improvisados nas salas ou nos quartos dos animadores, todavia, no pior momento que Portugal e a Europa alguma vez enfrentaram no último século, as rádios têm provado que conseguem informar o país acerca da evolução da pandemia mesmo quando sujeitas às restrições derivadas do teletrabalho. A todos os profissionais de todas as estações de rádio portuguesas, não somente nacionais ou regionais mas também locais, que dão o seu melhor para assegurar as emissões e o direito dos portugueses à informação, tenho a dizer: muito obrigado por tudo o que têm feito nos últimos dias!

quarta-feira, março 18, 2020

COVID-19: Festival da Eurovisão cancelado

O Festival Eurovisão da Canção 2020, evento não apenas transmitido através de estações de televisão dos países participantes mas igualmente noutros canais  de outras partes do mundo e até por diversas rádios, foi cancelado por causa do surto do Covid-19.

Notícias menos boas para a representante de Portugal, a Elisa Silva, e para a autora da canção, Marta Carvalho, mas, e como diz o velho ditado popular, em tempo de guerra não se limpam armas. Depois do Euro 2020, mais um evento de grande dimensão internacional é cancelado por causa desta terrível ameaça à saúde pública.

Presidente da República fala esta noite ao país

Para quem prefere acompanhar a actualidade informativa através da rádio, recomendo vivamente que sintonize esta noite a Antena 1. O Presidente da República prepara-se, na sequência da reunião do Conselho de Estado realizada nesta manhã, para falar ao país à noite através da RTP, intervenção que será, decerto, transmitida igualmente em directo pela Antena 1, e onde muito provavelmente irá anunciar a declaração do estado de emergência.

Mais do que nunca, os portugueses devem estar atentos às notícias e acompanhar o desenrolar da pandemia, sem alarmismo ou pânico, se possível, mas conscientes do que efectivamente se passa. Por muitos defeitos que tenha a comunicação social, as notícias continuam a ser muito mais credíveis do que as publicações nas redes sociais feitas por pessoas sem conhecimento da realidade no terreno e querendo aproveitar-se do clima de receio. Fiquemos em casa, acompanhemos as notícias e mantenhamos a calma. Sobrevivermos à pandemia depende de todos nós. Por nós, pela nossa família, pelos vizinhos, pelos amigos, sejamos responsáveis e respeitemos as indicações das autoridades de saúde.

domingo, março 15, 2020

Antena 1 suspende programa de José Candeias

Atendendo às circunstâncias extraordinárias que condicionam o nosso país, a Antena 1 decidiu suspender a participação do locutor José Candeias nas madrugadas da rádio pública. A alteração foi anunciada pelo próprio profissional na rede social Facebook. É bem provável que outros programas das várias rádios da RTP sofram igualmente alterações significativas nos próximos dias.

Horário da transmissão da missa dominical nas rádios

Portugal vive tempos de excepção, mercê do perigo do coronavírus COVID-19. Considerando a gravidade da situação, o blogue "Mundo da Rádio" não se vai limitar a falar do que as rádios fazem a nível de conteúdos ou ao nível técnico, tomando a iniciativa de prestar serviço público através da divulgação de qualquer programa de rádio que seja importante escutar neste período complicado para todos, incluindo conferências de imprensa ou declarações oficiais das autoridades de saúde, Governo ou até da Presidência da República. Considero que quem é produtor de conteúdo na Internet, como quem desenvolve o site e o blogue "Mundo da Rádio", deve contribuir proactivamente para a promoção da informação credível apresentada pelas rádios a respeito da evolução da ameaça e ajudar os ouvintes a não perderem um programa de rádio que seja particularmente importante, por prestar informações fundamentais à segurança de todos ou que seja imprescindível para muitos ouvintes, por razões religiosas ou outras.

Neste contexto, e tendo em conta a grande tradição católica em Portugal, tomei a iniciativa de compilar o horário da missa de Domingo nas rádios portuguesas. Não é uma lista exaustiva, mas espero ajudar os crentes, que não devem sair de casa sem motivo de força maior, a acompanhar, através da rádio, as celebrações religiosas.

Antena 1: 08h02
Rádio Renascença: 11h
Rádio Vagos: 10h30
Rádio Canção Nova (103,7 MHz Ourém): 11h/12h
Rádio Condestável (Sertã): 11h
Rádio Cova da Beira (100,0 + 92,5 MHz Fundão): 11h
Rádio Despertar (94,5 Estremoz): 11h
Rádio Elvas/ Rádio Campo Maior/ Rádio Nova Antena (Montemor-o-Novo): 10h

sexta-feira, março 13, 2020

Covid 19 obriga rádios a desenvolver planos de contingência

Portugal e a Europa enfrentam o que muito provavelmente será o maior desafio à sobrevivência humana das últimas décadas e que condicionará, pelo menos nas próximas semanas, as nossas vidas. A emergência do coronavírus "COVID-19" em Portugal tem levado as rádios generalistas e informativas a alargarem os espaços de informação, fornecendo aos ouvintes a actualização regular do ponto de situação da pandemia no país. Há que sublinhar o verdadeiro papel de serviço público levado a cabo não só pela Antena1 mas também pela Rádio Renascença, TSF e Rádio Observador, estações que, não entrando no sensacionalismo em busca do crescimento da audiência, têm contribuído para o esclarecimento dos portugueses a respeito da evolução da doença.

Vivemos tempos de excepção - e urge minimizar o contacto físico entre pessoas. Neste contexto, importa referir que muitos dos locutores da Rádio Comercial passaram a trabalhar a partir de casa. Entretanto, na sequência do cancelamento das missas e outras celebrações religiosas presenciais, a Rádio Renascença vai passar, a partir da próxima segunda-feira dia 16 de Março, a transmitir diariamente missa, de segunda a sábado às 12 horas, mantendo-se a Eucaristia dominical às 11 horas. É provável que, à medida da progressão da epidemia, muitos profissionais das rádios do grupo (RR, RFM e Mega Hits) passem, à semelhança do que já acontece na Comercial, a trabalhar de forma remota. A mesma alternativa deverá ser implementada noutros operadores radiofónicos.

Todo o cuidado é pouco - e os últimos desenvolvimentos na Itália e na vizinha Espanha, para nem falar da China, não são tranquilizadores. A palavra de ordem, para os profissionais das rádios mas também para quem está empregado em qualquer outra área, tem de ser: sempre que possível, trabalhem a partir de casa. Evitem ao máximo o contacto presencial com outras pessoas e respeitem as indicações das autoridades de saúde e de segurança. As notícias dos próximos dias tenderão, segundo os especialistas, a não ser animadoras, todavia sempre tive fé na humanidade. Não interessa as divergências políticas, as preferências desportivas, as opções de vida: somos todos humanos. Em 1918, Portugal sobreviveu não só à 1ª Guerra Mundial mas também à denominada Gripe Espanhola; a Europa sobreviveu a uma 2ª Guerra Mundial. Evitar a disseminação descontrolada do coronavírus depende de todos. Para quem pensa que passar mais tempo em casa vai ser um enorme aborrecimento, tenho uma sugestão: e que tal pegar no rádio portátil a pilhas encostado a um canto e "brincar" a explorar as faixas de radiodifusão? Sugiro a quem tiver um rádio com Onda Média, Onda Longa e Onda Curta, sobretudo para quem tiver crianças e jovens "presos" em casa sem ir à escola durante estes dias, comece a descobrir em família o verdadeiro "mundo da rádio", analógico e antigo, mas que funciona a custo quase zero para o ouvinte (custa apenas o preço de um rádio e de umas pilhas) e que está disponível mesmo que a Internet falhe ou até na eventualidade de surgir um "apagão" na rede eléctrica. Quiçá os mais novos fiquem deveras surpreendidos ao descobrir que, muitos anos antes dos smartphones e da Internet, as pessoas ouviam notícias e programas de rádio de outros países e de outros continentes recorrendo a um receptor de rádio.

quarta-feira, março 11, 2020

Cofina desiste da compra da Media Capital!

Desengane-se quem acreditava que a rede de emissores da M80 Rádio ou a da Cidade FM passaria a irradiar uma nova versão do "Correio da Manhã Rádio". A Cofina desistiu do negócio da compra da Media Capital. Em causa estará a falta de condições de mercado para o aumento de capital da empresa proprietária do "Correio da Manhã", derivada da instabilidade nos mercados resultante do surto do coronavírus.

Assim, tudo fica para já na mesma, no que diz respeito à estrutura accionista da dona da TVI, da Rádio Comercial, M80 Rádio, Smooth FM, Cidade FM, Vodafone FM e outros activos. Vamos ver se porventura aparece outro interessado num negócio com a PRISA...

sábado, março 07, 2020

Rádio Estádio vai fechar!

Já se desconfiava há algum tempo mas a confirmação veio nesta noite: a Rádio Estádio vai fechar. Ainda que não tenha havido, para já, nenhuma informação oficial, sabe-se que a má notícia já foi transmitida pela direcção da rádio aos funcionários.

É uma pena. Um projecto de rádio desportiva que poderia ter corrido bem não fossem as condições técnicas que por vezes deixam a desejar e a falta de recursos, que condicionava o trabalho da rádio. Nem um ano durou. Resta saber qual vai ser o futuro da rede de emissores (96,2 Barreiro e 89,0 MHz Póvoa de Varzim); estamos certos que são frequências cobiçadas por outros operadores radiofónicos que queiram servir as regiões de Lisboa e do Porto. 

sexta-feira, março 06, 2020

Rádio Renascença encerra estúdios de Évora

Sem honra nem glória e quase a chegar aos 35 anos de vida- é a forma como a Rádio Renascença decidiu encerrar os estúdios de Évora, que ocupavam um espaço cedido pela arquidiocese. Inaugurado no dia 20 de Abril de 1985, muito por conta da influência do então Arcebispo de Évora D. Maurílio Gouveia, o estúdio regional da então "Voz do Alentejo" da Rádio Renascença, que operava na Onda Média (927 kHz) sobreviveu ao encerramento das vozes regionais e subsequente lançamento da Rádio Sim, sobreviveu ao desligamento do emissor de Onda Média (passando a produzir os programas da Rádio Sim Alentejo (97,5 MHz Portel), mas não sobreviveu à descontinuação da Rádio Sim e à política pouco católica de cortes cegos na estrutura da rádio.

Em pouco tempo, as arquidioceses de Braga e Évora vêem a emissora católica(?) portuguesa conduzi-as à quase irrelevância. Sim, se fosse outra rádio privada qualquer, seria uma decisão económica; contudo, uma estação que se diz cristã tem obrigações religiosas e morais acrescidas. Reduzir a Rádio Renascença a uma rádio de Lisboa com estúdios também em Gaia e transformar a Rádio Sim numa estação em piloto automático, sem alma, são atitudes que não respeitam os ouvintes que gostariam de voltar a ter informação regional e espaços de actualidade religiosa de cada arquidiocese.

Saudades da extinta "Voz do Alentejo". Podia ter o som roufenho da Onda Média, todavia, mais do que uma estação religiosa, era uma rádio regional com vários espaços interessantes. Infelizmente, à semelhança das demais vozes regionais, a programação realizada a partir de Évora foi, ao longo dos anos, sendo reduzida à expressão mínima - e nem a chegada da Rádio Sim e o início das emissões locais na frequência de Portel devolveu a importância que os estúdios de Évora tiveram noutros tempos. Pelos vistos, o futuro do emissor de Portel vai passar por ser um mero retransmissor de um canal da Renascença emitido de um estúdio em Lisboa, longe da realidade alentejana.

Faleceu Rafael Correia, autor do "Lugar ao Sul"

Uma breve nota para lamentar o falecimento do jornalista Rafael Correia, autor do programa "Lugar ao Sul" na Antena 1. Sem dúvida que o país ficou a conhecer melhor as gentes e os costumes do Algarve e do Alentejo graças às inúmeras edições do programa; todavia, a história de vida como jornalista deste profissional algarvio apaixonado pela cultura sulista passou não apenas pela Emissora Nacional/RDP/RTP, tendo começado na BBC entre 1972  e 1974.

Que descanse em paz. Porque a tecnologia permite ouvir o passado quando e onde quisermos, a reedição de vários dos programas do "Lugar ao Sul" está disponível no serviço RTP Play.


quarta-feira, março 04, 2020

Rádio Comercial: "site" renovado, erros velhos

Quem acompanha o blogue sabe que não tenho o hábito de criticar os conteúdos publicados nos sites das estações de rádio, todavia abro hoje uma excepção.

A Rádio Comercial lançou recentemente uma versão renovada do seu site. Se não tenho nada a apontar à maior parte das páginas, há uma que, não obstante a nova aparência, continua com vários erros crassos, que decerto não contribuem para o esclarecimento cabal dos ouvintes - refiro-me à página das frequências da rádio. A saber:

  1. 105,9 MHz em Évora... ou será Beja? Não bastando haver dois quadros respeitantes a Évora (calculo que num deles terão querido dizer Beja), o emissor que opera nos 105,9 MHz "migrou" do distrito de Beja (na versão anterior do site) para o de Évora. Ora, a frequência em causa opera a partir de Vila Boim, no concelho de Elvas, que pertence ao distrito de... Portalegre. Alguém que se digne a dar uma lição de geografia do Alentejo ao responsável pelo desenvolvimento da página, sugerindo que coloque os 105,9 no quadro respeitante ao distrito de Portalegre.
  2. "Évora 90.0 / 92.0 / 105.9 FM". Já falei dos 105,9 MHz, porém temos aqui um caso mais grave: uma frequência completamente errada. Caros senhores da Média Capital Rádios, ao sintonizar os 90,0 MHz em Beja ou em Évora, o ouvinte escutará, na melhor das hipóteses, a Rádio Vidigueira! Assumindo que o quadro diz respeito a Beja, os tais "90,0" devem ser os 95,8 MHz do pequeno emissor de Mértola.
  3. Uma imprecisão: é verdade que os 88,9 MHz Minhéu cobrem parte do distrito de Vila Real; sem embargo, o emissor que melhor serve a capital  de distrito transmontana é o da Serra das Meadas (Lamego), que opera nos 88,7 MHz.
  4. Falta de actualização: no distrito de Viana do Castelo já existem, além da frequência em Darque (89,3 MHz Viana do Castelo), emissores em Moledo (88,5) e Soajo/ Arcos de Valdevez (94,2 MHz).
Considerando que as ondas de rádio não conhecem distritos (e alguns emissores são bem ouvidos nos distritos contíguos), e se me é permitida a sugestão (no caso de algum dos estimados profissionais da MCR ser leitor do blogue "Mundo da Rádio"), proponho a seguinte versão alternativa da página:

Viana do Castelo - 97.7/99.0/89.3/88.5 /94.2 FM
Braga - 99.2/97.7 FM
Vila Real - 88.7/88.9 FM
Bragança - 93.9/91.9 FM
Porto - 97.7/98.2/99.2 FM
Aveiro - 90.8/92.2/97.7 FM
Viseu - 88.7/90.8/94.3/103.1 FM
Guarda - 96.1 FM
Coimbra - 90.8 FM
Castelo Branco - 98.2 FM
Leiria  - 89.0/90.8/99.8 FM
Santarém - 97.4/99.8/90.8 FM
Portalegre - 98.9/105.9 FM
Lisboa  - 97.4/98.5 FM
Setúbal - 97.4/96.8 FM
Évora - 92.0/98.9/105.9/96.8 FM
Beja - 92.0/95.8/88.1 FM
Faro - 96.1/88.1 FM

terça-feira, março 03, 2020

Onda Média da Antena 1: emissor de Lamego (756 kHz) temporariamente inactivo devido a avaria

O emissor de Onda Média da Antena 1 situado na Serra das Meadas (Lamego), que opera nos 756 kHz, encontra-se temporariamente inactivo na sequência de uma avaria.

Aos ouvintes afectados, a minha recomendação vai no sentido de se sintonizar a rádio pública no FM, através do emissor de São Domingos da Queimada (87,9 MHz); nalgumas zonas da região , é provável que o emissor principal (95,2 MHz Serra do Marão) se faça ouvir. Na Onda Média, a melhor alternativa de sintonia será o emissor de Vila Real (Vila Nova de Cima - 666 kHz).

Correcção (04/03): Efectivamente, a melhor frequência alternativa para a escuta da Antena 1 em Lamego é a do emissor de Vila Real e não a de Viseu, como foi originalmente dito nesta publicação.

quarta-feira, fevereiro 26, 2020

Emissor da Antena 1 na Serra da Arrábida: sol de pouca dura?

O emissor da Antena 1 na Serra da Arrábida, que operava a título experimental nos 99,5 MHz, encontra-se desligado pelo menos desde a passada manhã, tendo sido reactivado o emissor da Banática nos 99,4 MHz. Ao que parece, quiçá por decisão da RTP ou da ANACOM, o projecto terá ficado, por enquanto e como diz o povo, em águas de bacalhau.

terça-feira, fevereiro 18, 2020

RTP testa emissor da Antena 1 (99,5 MHz) na região da Arrábida

A RTP colocou, na região da Serra da Arrábida e a título experimental, em funcionamento um emissor da Antena 1 na frequência de 99,5 MHz. A nova emissão, que deverá substituir a da Banática (99,4 MHz), terá como objectivo o reforço do sinal nas auto-estradas A1 e A2, além de melhorar a recepção da rádio em Setúbal e no litoral alentejano.

Para já, ao que parece, a Antena 2 e a Antena 3 continuam a operar nas frequências da Banática; a serem igualmente deslocalizadas para a Arrábida, seria conveniente mudarem para frequências menos problemáticas. Isto porque a Antena 2 nos 88,9 MHz sofreria a interferência co-canal da Antena 1 (emissor da Foia, na Serra de Monchique). Também os 100,0 MHz da Antena 3 não constituem uma frequência limpa, porquanto existe a Granada FM (100,1 MHz) em Vendas Novas, o que obrigaria à colocação de reflectores nos elementos radiantes para evitar interferências no território deste concelho. Apesar da relativa saturação do espectro na Grande Lisboa e litoral alentejano, existem algumas frequências possíveis de serem utilizadas pelas Antenas 2 e 3, incluindo os 93,0 MHz (pese a pressão da RFM 93,2 em Lisboa), os 94,6 MHz (ainda que "colada" ao emissor do Alto do Monsanto, nos 94,4 MHz e com reflectores para minimizar o sinal na direcção de Coruche (a Rádio Voz do Sorraia emite nos 94,7 MHz)), os 94,8 MHz (com a mesma restrição na direcção de Coruche e mesmo ao lado da Rádio Positiva (95,0)), os 101,7 MHz (ao lado da RDP África, nos 101,5), os 103,2 MHz (com restrição de azimute na direcção de Évora e "entalada" entre os 103,4 da RR e os 103,0 da Smooth FM), os 104,5 MHz (ao lado da M80 104,3 e da microcobertura da TDS em Alcácer do Sal, nos 104,7) e até os 107,0 MHz (entre a RFM 106,8 e a Vodafone FM 107,2, eventualmente com restrições de azimute a Sul para evitar interferências na M80 (107,1 MHz Fóia). Uma opção melhor, a manter-se a microcobertura da Antena 3 na península de Tróia, seria mudá-la para outra frequência e utilizar os 107,9 MHz na Arrábida (ainda que com restrições a Norte por causa da RES FM (Alpiarça)).

quinta-feira, fevereiro 13, 2020

13.02.2020 Dia Mundial da Rádio... e do "Manual da Rádio"!

No "Dia Mundial da Rádio" podia escrever um longo artigo no blogue a falar do que representa para mim a rádio. Todavia, decidi que este ano não escreveria meia dúzia de linhas ou uma folha inteira... Escrevi um pequeno livro.

A todos os visitantes do blogue e do site "Mundo da Rádio", é com o maior prazer que vos apresento o "Manual da Rádio": um pequeno livro digital inteiramente gratuito que tanta explicar de uma forma descomplicada as questões técnicas subjacentes ao funcionamento das emissões de radiodifusão. Que melhor homenagem poderia fazer eu a esta grande senhora, a Rádio, a não ser no seu dia mundial publicar mais de 50 páginas de informação útil para quem não tem muitos conhecimentos técnicos e quer ter uma  noção de como as coisas funcionam?

Não termino sem, neste dia de celebração da que considero ser a maior invenção tecnológica depois da electricidade, agradecer a todos os profissionais de rádio que trabalham todos os dias para informar e entreter os ouvintes. E agradecer a todos os visitantes do "Mundo da Rádio", utilizadores do "Fórum da Rádio" e demais serviços do site e a todos os que falam da rádio nas redes sociais.

terça-feira, fevereiro 11, 2020

Antena 1: emissor da Banática (Almada) muda de frequência, dos 99,4 para os 99,5 MHz

Apesar de não ter sido (até agora) confirmado a título oficial, o emissor da Banática (Almada) da Antena 1, que serve a margem Sul do Tejo, a zona ocidental do concelho de Lisboa e a zona ribeirinha do Tejo até Cascais, está, pelo menos desde o final do passado mês de Janeiro, a operar na frequência de 99,5 MHz, em vez dos 99,4 MHz.

Esta alteração terá, creio, como objectivo evitar a interferência da Cidade FM Ribatejo (99,3 MHz Alcanena) sobre a rádio pública.

sexta-feira, janeiro 31, 2020

"Bola Branca" marca a informação desportiva na rádio portuguesa há 40 anos

A "Bola Branca", o programa de informação desportiva da Rádio Renascença, celebra hoje 40 anos de edições diárias. A efeméride não foi esquecida por parte da emissora católica. De referir que o "tempo de antena" dedicado ao desporto, sobretudo o futebol, foi criado em 1980 por Artur Agostinho e Ribeiro Cristóvão, dois grandes nomes do jornalismo desportivo em Portugal.

Se excluirmos a recitação diária do Terço e os noticiários, a "Bola Branca" é, muito provavelmente, o programa mais antigo a ser emitido de forma ininterrupta pela emissora da Quinta do Bom Pastor e um dos programas de rádio ainda em actividade mais antigos da rádio portuguesa. A minha sugestão para o futuro da "Bola Branca"? Que a informação a respeito de outras modalidades que não o omnipresente futebol seja reforçada. Afinal, há tantos desportistas portugueses que ao longo dos anos têm participado (e destacado) em campeonatos de diversas modalidades, do hóquei em patins ao andebol, da canoagem ao ténis de mesa, muitas vezes injustamente menosprezadas pela comunicação social no geral, que assume a prioridade absoluta ao ludopédio.

quarta-feira, janeiro 08, 2020

Emissora católica (?) portuguesa encerra estúdios de Braga e despede profissionais da Rádio Sim

Segundo a edição online do jornal "Correio da Manhã", a emissora católica portuguesa decidiu não só despedir três trabalhadores da Rádio Sim (José Monteiro, Carlos Coutinho e Carlos Lopes), como também, numa atitude pouco católica apostólica romana, encerrar os estúdios de Braga.

Como seria de prever, o mal estar derivado do encerramento da Rádio Sim alastrou-se da Quinta do Bom Pastor a outros sectores da Igreja. O Arcebispo de Braga, D. Jorge Ortiga, diz-se apreensivo e a situação vai inclusivamente ser debatida na próxima Assembleia Plenária da Conferência Episcopal, que terá lugar no próximo mês de Abril.

sexta-feira, janeiro 03, 2020

É oficial: Rádio Sim vai acabar

É oficial: o canal sénior da emissora católica portuguesa vai ser descontinuado em breve. Em causa está, alegadamente, e de acordo com a "Meios & Publicidade" , motivos de viabilidade económica.

Desconhece-se os planos da Renascença para o futuro, todavia é certo que, por razões legais (pertencem à rede nacional de emissores da RR), as frequências FM da Rádio Sim em Braga (101,1), Leiria (95,1) e Elvas (99,8 + 102,3 MHz) terão, a terminar os desdobramentos na emissão que constituem a Rádio Sim, de "regressar" ao sinal nacional do "canal 1" da Rádio Renascença. Se o operador da Quinta do Bom Pastor não lançar outro canal a substituir a Rádio Sim, é provável que muitas das frequências locais da estação sénior (102,2 Palmela; 92,6 + 99,5 MHz Rio Maior, 97,5 Portel; 106,4 MHz Viseu e 100,8 MHz Maia) passem para a Mega Hits. A frequência redundante seria os 100,8 Maia, já que a Mega emite do mesmo local, a Serra de Santa Justa (Valongo), nos 90,6 MHz.